Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo de substâncias com potencial antimalárico em Plasmodium Falciparum "in vitro" e na malária experimental por Plasmodium berghei em camundongos

Processo: 09/53267-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2010
Vigência (Término): 30 de setembro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Protozoologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Alejandro Miguel Katzin
Beneficiário:Alexandre Yukio Saito
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Estresse oxidativo   Malária

Resumo

Em todo o mundo a malária mata mais de um milhão de pessoas por ano, a maioria delas crianças, sendo uma das doenças infecciosas mais relevantes e um grande problema de saúde pública, principalmente para os países subdesenvolvidos e em desenvolvimento. Com o surgimento de cepas resistentes novos alvos e tratamentos terapêuticos são necessários. Através dos estudos desenvolvidos em nosso laboratório sobre a biossíntese de isoprenóides nas formas intraeritrocíticas de Plasmodium falciparum "in vitro" foi possível demonstrar que o plasmódio possui uma via ativa para a biossíntese de isoprenóides utilizando a via 2-C-metil-D-eritritol-4-fosfato (MEP) a partir de piruvato e gliceraldeido-3-fosfato e que o mesmo é capaz de sintetizar algumas vitaminas. A partir dessas pesquisas, substâncias inibidoras da biossíntese de isoprenóides têm sido estudadas e as mesmas vêm apresentando atividade antimalárica, junto a esses resultados algumas dúvidas a respeito da função das vitaminas sintetizadas pelo parasito têm surgido. A principal dúvida é o envolvimento dos carotenóides na defesa antioxidante durante a infecção pelo P. falciparum, obtivemos alguns resultados preliminares, entretanto outras abordagens são necessárias para comprovar nossa hipótese. De acordo com os resultados obtidos em nosso laboratório, acreditamos que a via de isoprenóides possa ser um potencial alvo para o desenvolvimento de novas drogas antimaláricas incluindo alguns herbicidas. E por essa razão estudos "in vivo" e "in vitro" quanto à toxicidade e genotoxicidade provocado ou não pelos novos quimioterápicos são necessários. Objetivamos neste projeto pesquisar os efeitos de inibidores dos diferentes produtos da via de biossíntese de isoprenóides com atividade antimalárica em Plasmodium falciparum "in vitro" e na malária experimental por Plasmodium berghei em camundongos e estudar o perfil do estresse oxidativo nas hemácias e plasma durante a infecção. (AU)