Busca avançada
Ano de início
Entree

Coronavírus felino: ocorrência, carga viral e diversidade genética em felinos de gatis selecionados dos municípios de São Paulo - SP e Rio de Janeiro - RJ

Processo: 09/17535-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2010
Vigência (Término): 31 de agosto de 2013
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Pesquisador responsável:Paulo Eduardo Brandão
Beneficiário:Aline Santana da Hora
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Gatos   Coronavirus felino   Peritonite infecciosa felina   Reação em cadeia da polimerase em tempo real   Marcador molecular   Análise de sequência de DNA

Resumo

O vírus da peritonite infecciosa felina (FIPV) emerge por mutações do coronavírus entérico (FECoV). A peritonite infecciosa felina (PIF) é uma doença sistêmica, imunemediada e progressivamente fatal que acomete os felinos domésticos e selvagens. A diferenciação entre FIPV e FECoV é um aspecto diagnóstico crítico da infecção pelos coronavírus felinos (FCoVs). Estudos filogenéticos são essenciais para se obter informações que auxiliarão no desenvolvimento de métodos diagnósticos mais precisos e de vacinas mais eficazes. O presente estudo tem por objetivo avaliar a ocorrência de coronavírus felino (FCoVs) em gatos com ou sem sintomas de enterite ou peritonite infecciosa felina (PIF) mantidos em abrigos, nos municípios de São Paulo - SP e Rio de Janeiro - RJ, utilizando uma RT-PCR em tempo real dirigida ao RNAm do gene M dos coronavírus. A pesquisa da associação entre o título viral para FCoV, a emergência do biotipo FIPV e a evolução clínica em estudo longitudinal será realizada nesta população. Será estudada a presença de marcadores moleculares para a diferenciação entre FIPV e FECoV, nos genes M, S, 3 e 7. Os gatis serão selecionados de tal forma a se completar um número total mínimo de 100 animais. De todos os animais serão coletadas amostras de sangue total, fezes, líquido de efusões e nos casos de necropsia, os linfonodos mesentéricos. Nestas amostras serão quantificados os níveis de mRNA dos FCoVs. Nas amostras com título viral crescente, será realizado o sequenciamento dos genes M, S, 3a-c e 7a,b. As sequências de nucleotídeos obtidas serão comparadas geneticamente entre si e entre aquelas disponíveis em bancos de dados genéticos. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
HORA, A. S.; TONIETTI, P. O.; TANIWAKI, S. A.; ASANO, K. M.; MAIORKA, P.; RICHTZENHAIN, L. J.; BRANDAO, P. E. Feline Coronavirus 3c Protein: A Candidate for a Virulence Marker?. BIOMED RESEARCH INTERNATIONAL, 2016. Citações Web of Science: 3.
HORA, ALINE S.; ASANO, KAREN M.; GUERRA, JULIANA M.; MESQUITA, RAMON G.; MAIORKA, PAULO; RICHTZENHAIN, LEONARDO J.; BRANDAO, PAULO E. Intrahost Diversity of Feline Coronavirus: A Consensus between the Circulating Virulent/Avirulent Strains and the Internal Mutation Hypotheses?. SCIENTIFIC WORLD JOURNAL, 2013. Citações Web of Science: 5.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
HORA, Aline Santana da. Diversidade gênica do coronavírus felino em populações virais entéricas e sistêmicas intra e inter-hospedeiros. 2014. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.