Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação de genes diferencialmente expressos em estágios intra-hospedeiros de Schistosoma mansoni como candidatos vacinais

Processo: 05/03781-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de março de 2006
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Luciana Cezar de Cerqueira Leite
Beneficiário:Cibele Aparecida Tararam
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Biotecnologia   Desenvolvimento de vacinas   Vacinas de DNA   Análise de sequência de DNA   Proteínas recombinantes   Schistosoma mansoni   Esquistossomose   Modelos animais

Resumo

A Esquistossomose Mansônica é a segunda doença parasitária em importância, vindo depois da Malária, e basicamente de países em desenvolvimento, onde o saneamento básico é precário. O índice de indivíduos infectados pelo Schistosoma mansoni em todo mundo continua ao redor de 200 milhões, mesmo após duas décadas de intensa utilização de medicamentos quimioterápicos. O uso de medicamentos não impede a reinfecção em regiões endêmicas, necessitando-se de tratamentos repetitivos e, consequentemente, dispendiosos. Isso torna importante o desenvolvimento de uma vacina antiesquistossomose, uma vez que a vacinação é a medida mais eficiente e menos onerosa na prevenção de doenças infecciosas. O desenvolvimento de uma vacina eficiente contra Esquistossomose é uma das metas prioritárias da OMS (Organização Mundial da Saúde), uma vez que experimentos em animais mostraram proteção com vacinas de cercárias atenuadas e que alguns humanos desenvolveram certo grau de proteção natural em áreas endêmicas (Butterworth et al., 1985; Wilkins et al., 1987; Dessein et al. 1988, Hagan et al., 1991). A maior dificuldade no desenvolvimento de uma vacina contra a Esquistossomose tem sido a utilização de antígenos definidos que estimulem uma resposta imune apropriada induzindo a proteção contra a infecção (Yang et al., 2001). No entanto, o sequenciamento do genoma do Schistosoma mansoni abriu novas perspectivas para o desenvolvimento de uma vacina com potenciais candidatos vacinais. Dessa forma, o objetivo geral desse projeto de pesquisa é investigar algumas proteínas recombinantes de genes diferencialmente expressos em estágios intra-hospedeiro (e portanto com potencial para serem importantes para a sobrevivência do parasita) e de genes que codificam proteínas hipotéticas contendo sequências sinais de exportação, identificados no Projeto Genoma do Schistosoma mansoni. Os genes serão clonados, expressos e purificados para obter anticorpos e determinar a imunolocalização das proteínas no parasita, buscando proteínas de superfície ou exportadas. Serão realizadas a avaliação da resposta imune humoral e celular induzida em camundongos imunizados com as proteínas recombinantes (resposta imune com tendência para Th2) e com as respectivas vacinas de DNA (resposta imune com tendência para Th1 ou mista) e será avaliada a proteção induzida contra desafio com cercária de S. mansoni, correlacionando o tipo de resposta imune com a proteção induzida. (AU)