Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de neuropeptídeos e aminoácidos para elucidação da neurobiologia das doenças psiquiátricas

Processo: 10/00900-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2010
Vigência (Término): 31 de agosto de 2012
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Pesquisador responsável:Regina Helena Costa Queiroz
Beneficiário:Marina Salviato Balbão Santiago Fonseca
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Aminoácidos   Neuropeptídeos   Esquizofrenia   Toxicologia   Clozapina   Olanzapina

Resumo

A olanzapina é um fármaco antipsicótico atípico utilizado no tratamento da esquizofrenia. Como efeitos adversos relacionados ao seu uso, encontram-se obesidade, hiperlipidemia, diabetes mellitus tipo II e hipertensão, podendo acarretar no desenvolvimento de síndrome metabólica. Desta forma, o presente trabalho tem por objetivo investigar o efeito do uso prolongado da olanzapina em pacientes esquizofrênicos quanto aos parâmetros: colesterol total, LDL-colesterol, HDL-colesterol, triglicérides, glicose, insulina, cortisol, homocisteína, proteína C reativa (PCR), uréia, creatinina, ácido úrico, bilirrubinas (total, direta e indireta), transaminase glutâmico oxalacética (TGO), transaminase glutâmico-oxalacética (TGP), proteína C reativa (PCR), tempo de protrombina (TP), tempo de tromboplastina parcial ativada (TTPa) e fatores de coagulação sanguínea VII e XII, os quais são relevantes na medida em que representam marcadores importantes de alterações relacionadas a desordens metabólicas ou de risco aterosclerótico. A avaliação dos hormônios endógenos ligados ao apetite, tais como leptina, grelina e neuropeptídios NPY e PYY são fundamentais para o estabelecimento de um possível mecanismo de ação para o ganho de peso causado pela olanzapina. Alguns aminoácidos são importantes indicadores para desordens metabólicas ou processos fisiológicos, como é o caso do glutamato, glicina e serina que estão intimamente relacionados à fisiopatologia da esquizofrenia e a arginina, um precursor de óxido nítrico que modula a atividade neuronal de sistemas como dopamina, GABA e glutamato, todos eles correlacionados à esquizofrenia. Devido à importância destas substâncias, este estudo também terá como finalidade determinar os níveis dos aminoácidos arginina, aspartato, glicina, glutamato, lisina e serina em grupos de indivíduos esquizofrênicos em tratamento com os antipsicóticos clozapina ou olanzapina e compará-los a um grupo de indivíduos com depressão sem tratamento antipsicótico, um grupo de indivíduos com distúrbio bipolar sem tratamento antipsicótico e um grupo controle, a fim de estabelecer uma comprovada correlação entre os níveis destes aminoácidos e a esquizofrenia. O método paramétrico e o modelo linear de efeito misto serão utilizados para avaliar os dados onde as respostas de um mesmo indivíduo estão agrupadas e a suposição de independência entre as observações num mesmo grupo não é adequada. A análise das médias (Anova) e análise de comparação múltipla entre os grupos (Tukey-Kramer) será utilizada para a comparação entre os grupos, quanto à dosagem dos aminoácidos. Será fixado um nível de significância de 5% (p < 0,05).

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
FONSECA, Marina Salviato Balbão Santiago. Avaliação de neuropeptídeos e aminoácidos para elucidação da neurobiologia das doenças psiquiátricas. 2012. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.