Busca avançada
Ano de início
Entree

Aceleração na Remoção de Água de Lodos de Estação de Tratamento de Água em Leitos de Drenagem Cobertos

Processo: 10/03139-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2010
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2011
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Sanitária - Tratamentos de Águas de Abastecimento e Residuárias
Pesquisador responsável:João Sergio Cordeiro
Beneficiário:Renan Felicio dos Reis
Instituição-sede: Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia (CCET). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Lodo

Resumo

A maior parte das Estações de Tratamento de Água (ETAs) para abastecimento existentes no Brasil se utiliza de captação de águas superficiais e sistema de tratamento de ciclo completo. Neste tratamento estão inseridas várias etapas, que são coagulação (geralmente a base de sais de ferro ou de alumínio), floculação, decantação, filtração e, por fim, desinfecção, correção de pH e fluoretação. Tais procedimentos aos quais a água bruta é submetida, permitem que se gere certa quantidade de resíduo (lodo) que varia principalmente segundo o tipo e quantidade de produto químico adicionado e as características do manancial de captação. Esse resíduo é encontrado principalmente nos decantadores e filtros das ETAs. Infelizmente, a maioria das ETAs brasileiras lança seus resíduos diretamente em corpos d'água, infringindo disposições da Lei 9.605/98. Existem tecnologias mecanizadas e naturais para remoção de água do lodo gerado. Por apresentar característica fluida (1 a 5% de sólidos), tratar este resíduo significa torná-lo o mais sólido possível e, neste sentido, o leito de drenagem proposto por Cordeiro (2001) consiste numa das tecnologias de tratamento natural, que possui basicamente duas etapas envolvidas: drenagem e evaporação. Sua viabilidade já é comprovada, entretanto, propõe-se buscar aumentar a eficiência deste leito através de realização de ensaios com diferentes mantas geotêxteis, bem como condicionamento do resíduo com polímero catiônico (melhoria na etapa de drenagem), e colocação de cobertura plástica (melhoria na etapa de evaporação). Os ensaios propostos serão realizados na ETA de São Carlos-SP, gerenciada pelo SAAE, onde serão construídos dois leitos de drenagem, sendo um coberto e outro não.