Busca avançada
Ano de início
Entree

Disponibilidade de cobre e zinco em fertilizantes minerais

Processo: 10/04076-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2010
Vigência (Término): 30 de abril de 2012
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Ciência do Solo
Pesquisador responsável:Cleide Aparecida de Abreu
Beneficiário:Camila Prado Cenciani de Souza
Instituição-sede: Instituto Agronômico (IAC). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Micronutrientes   Metais pesados

Resumo

A segurança e a eficiência dos insumos são determinantes no sucesso da atividade agrícola. Apesar da atual legislação para fertilizantes contendo micronutrientes com aplicação via solo possibilitar controle mais eficiente da qualidade destes materiais através da obrigatoriedade de solubilidade de 60% em um segundo extrator, além do teor total em HCl, há dúvidas se este índice é válido para os diversos adubos comercializados no país. O objetivo desse projeto é fornecer subsídios técnicos para o MAPA referentes às análises de fertilizantes minerais sólidos para aplicação via solo contendo cobre (Cu) e zinco (Zn). Para isso serão determinados os teores totais de Cu e Zn em fertilizantes pelo método oficial do MAPA (HCl) e pelo método da USEPA 3051A (ácido nítrico em forno de microondas). Além disso, será avaliada a inocuidade desses fertilizantes, quanto à presença de metais pesados (Cd, Cr, Ni e Pb). Os teores disponíveis de Cu e Zn, referentes ao segundo extrator, serão determinados pelos métodos oficiais do MAPA: citrato neutro de amônio (CNA) + água (1:1) para Cu e ácido cítrico (AC) 2% para Zn, além dos métodos: água, água quente, DTPA, EDTA, H2SO4, HCl, solução tampão pH 6,0 e CH3COOH (ácido acético - AcOH). Os fertilizantes serão fontes solúveis, óxidos, minérios e materiais secundários utilizados pelo setor produtivo. Um segundo experimento será instalado em casa de vegetação, usando como plantas testes o milho (Zn) e o trigo (Cu), dois tipos de solo (arenoso e argiloso) e, cinco fontes de fertilizantes para Cu e sete fontes de fertilizantes para zinco. Os resultados dos teores disponíveis nos fertilizantes serão correlacionados com a absorção de Cu para plantas de trigo e Zn pelas plantas de milho. Além disso, serão feitas correlações entre os teores totais e disponíveis de Zn e Cu extraídos pelos diversos métodos. Pretende-se eleger o(s) extrator(es) mais promissores para definir a disponibilidade de Cu e Zn presentes nos fertilizantes minerais e determinar se o índice mínimo de solubilidade de 60% é válido para a diversidade de fertilizantes com micronutrientes comercializados no Brasil.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CENCIANI DE SOUZA, CAMILA PRADO; DE ABREU, CLEIDE APARECIDA; COSCIONE, ALINE RENEE; DE ANDRADE, CRISTIANA ALBERTO; JUNQUEIRA TEIXEIRA, LUIZ ANTONIO; CONSOLINI, FLAVIA. A Statistical Review of Alternative Zinc and Copper Extraction from Mineral. Fertilizers and Industrial By-Products. JOURNAL OF AOAC INTERNATIONAL, v. 101, n. 1, p. 190-195, JAN-FEB 2018. Citações Web of Science: 0.
CAMILA PRADO CENCIANI DE SOUZA; CLEIDE APARECIDA DE ABREU; JOSÉ FRANCISCO DA CUNHA; GERALDO MAGELA DA COSTA; CRISTIANO ALBERTO DE ANDRADE. PHYTOAVAILABILITY OF COPPER IN INDUSTRIAL BY-PRODUCTS AND MINERAL FERTILIZERS. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 39, n. 2, p. 553-562, Abr. 2015. Citações Web of Science: 1.
CENCIANI DE SOUZA, CAMILA PRADO; DE ABREU, CLEIDE APARECIDA; DE ANDRADE, CRISTIANO ALBERTO; DE ABREU, MONICA FERREIRA. EXTRACTANTS TO ASSESS ZINC PHYTOAVAILABILITY IN MINERAL FERTILIZER AND INDUSTRIAL BY-PRODUCTS. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 37, n. 4, p. 1004-1017, JUL-AUG 2013. Citações Web of Science: 4.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.