Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel da aldosterona no estresse oxidativo e ativação simpática na hipertensão arterial renovascular em Ratos Wistar

Processo: 10/04333-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2010
Vigência (Término): 31 de julho de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Ruy Ribeiro de Campos Junior
Beneficiário:Gisele Silvério Lincevicius
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Estresse oxidativo   Fisiologia cardiovascular   Espironolactona   Losartan   Hipertensão renovascular   Aldosterona

Resumo

O sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) desempenha um papel importante na gênese e manutenção da hipertensão arterial renovascular. O principal mecanismo de ação deste sistema pode ser atribuído aos efeitos ocasionados pelo aumento da angiotensina II (Ang II), tais como: efeitos vasoconstritores, manutenção da hiperatividade simpática e também ativação da NAD(P)H oxidase via interação com receptores AT1 produzindo estresse oxidativo. Grande parte dos estudos enfoca a Ang II como o principal mecanismo que leva ao aumento do estresse oxidativo. Entretanto, não se sabe ao certo os mecanismos envolvidos na regulação do SRA nestas condições fisiopatológicas, uma vez que já foi demonstrado que a aldosterona, por exemplo, pode ativar a NAD(P)H oxidase independente dos receptores AT1 em animais normais. Até o momento não se tem informações sobre o papel da aldosterona na ativação simpática e no aumento do estresse oxidativo relacionado à hipertensão renovascular. Assim este estudo pretende avaliar qual o papel da aldosterona na hiperatividade simpática e no estresse oxidativo em animais com hipertensão renovascular (2K-1C), através do tratamento crônico com espironolactona (inibidor competitivo da aldosterona) ou losartan (antagonista de receptores AT1), com o objetivo de avaliar a contribuição relativa de cada um desses sistemas sobre as variáveis estudadas. Serão analisados parâmetros cardiovasculares e registro eletrofisiológico pós-ganglionar da atividade nervosa simpática renal nos animais hipertensos após administração de espironolactona ou losartan. Após esta etapa, para determinar se os tratamentos crônicos provocaram mudanças no estado de estresse oxidativo central, sobretudo, nos principais núcleos relacionados ao controle cardiovascular (PVN e RVLM), será avaliada nesses tecidos, pela técnica de Western blotting, a expressão protéica das enzimas antioxidantes: superóxido dismutase, catalase, glutationa peroxidase, do receptor AT1, do receptor mineralocorticoide e das subunidades da NAD(P)H oxidase: p47phox e gp91phox.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
LINCEVICIUS, GISELE S.; SHIMOURA, CAROLINE G.; NISHI, ERIKA E.; PERRY, JULIANA C.; CASARINI, DULCE E.; GOMES, GUIOMAR N.; BERGAMASCHI, CASSIA T.; CAMPOS, RUY R. Aldosterone Contributes to Sympathoexcitation in Renovascular Hypertension. AMERICAN JOURNAL OF HYPERTENSION, v. 28, n. 9, p. 1083-1090, SEP 2015. Citações Web of Science: 15.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.