Busca avançada
Ano de início
Entree

Indução e dedução em Aristóteles

Processo: 10/04563-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2010
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Filosofia - Lógica
Pesquisador responsável:Luiz Henrique Lopes dos Santos
Beneficiário:Tomás Roberto Troster
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Dedução   Indução (filosofia)   Filosofia antiga   Silogismo   Aristóteles

Resumo

O trabalho examina as concepções aristotélicas de indução (epagogé) e dedução (syllogismós), suas formas lógicas de operação e a relação entre elas. Queremos mostrar que, embora a dedução/silogismo seja a única forma legítima de extrair inferências em um plano abstrato, ela não possui valor para a ciência se não partir de premissas universais, alcançadas por indução. Até hoje, o raciocínio indutivo recebe críticas direcionadas à sua potencialidade heurística, entretanto, Aristóteles já apontava a impossibilidade de demonstrar todas as premissas do discurso científico e, consequentemente, a nulidade de uma (im)possível "dedução completa". (AU)