Busca avançada
Ano de início
Entree

Levantamento e caracterização de fontes químicas envolvidas na resistência de genótipos de soja a Bemisia tabaci (Gennadius) Biótipo B (Hemiptera: Aleyrodidae)

Processo: 10/05741-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2010
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:André Luiz Lorenzon
Beneficiário:Simone Silva Vieira
Instituição-sede: Instituto Agronômico (IAC). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas , SP, Brasil

Resumo

Durante todo seu ciclo, a soja é atacada por diversos insetos e patógenos. Recentemente, altas infestações da mosca-branca Bemisia tabaci biótipo B vem sendo relatadas, causando danos a essa cultura. Além da falta de informação em relação ao seu manejo, a praga tem sido controlada exclusivamente por poucos princípios ativos, o que vem causando o desenvolvimento de populações resistentes. O uso de cultivares resistentes é o método ideal de controle, tendo sido identificadas cultivares com nível moderado de resistência a esse inseto. Assim, este projeto propõe levantar e caracterizar quimicamente os compostos secundários envolvidos na resistência a essa praga. Adicionalmente, será avaliada a concentração de açúcares nas folhas das plantas e no exsudato da mosca-branca, visando determinar suas relações com a incidência de fumagina. Folhas de diferentes genótipos submetidas ao dano de B. tabaci biótipo B ou não (testemunhas) serão coletadas e maceradas em N2 líquido, adicionando-se MeOH-80% para extração dos compostos de defesa constitutivos e/ou induzidos. Os extratos preparados serão submetidos à cromatografia líquida de alto eficiência (HPLC) para identificação dos compostos de defesa (flavonóides, isoflavonóides e pterocarpanos). Os açúcares extraídos de folhas e do exsudato da mosca-branca proveniente de diferentes genótipos serão separados e identificados através de cromatografia líquida, utilizando-se o detector. Os resultados obtidos poderão dar subsídios aos melhoristas sobre os mecanismos químicos e as substâncias envolvidas na resistência da soja a essa mosca-branca e/ou ao desenvolvimento do fungo responsável pela formação da fumagina, o que poderá encurtar o tempo na obtenção de cultivares resistentes.