Busca avançada
Ano de início
Entree

Polimorfismos de grupos sanguíneos em pacientes politransfundidos e portadores de anemia hemolítica auto-imune: implicações na resposta imune e na clínica transfusional.

Processo: 10/06916-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2010
Vigência (Término): 31 de julho de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunogenética
Pesquisador responsável:Lilian Maria de Castilho
Beneficiário:Gláucia Andréia Soares Guelsin
Instituição-sede: Centro de Hematologia e Hemoterapia (HEMOCENTRO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Grupos sanguíneos   Técnicas de genotipagem   Polimorfismo genético

Resumo

O conhecimento e a identificação dos antígenos eritrocitários é essencial na prática transfusional, uma vez que o desenvolvimento de anticorpos contra estes antígenos pode se tornar um grande problema na clínica, principalmente nos casos de pacientes portadores de hemoglobinopatias ou outras doenças que requerem transfusões sanguíneas periódicas. A genotipagem de grupos sanguíneos pode contribuir, substancialmente, para a identificação desses antígenos e qualidade da transfusão de sangue fenotipado desses pacientes. Assim, um dos objetivos desse projeto é estabelecer um protocolo de genotipagem de grupos sanguíneos específico para pacientes portadores de mielodisplasias e pacientes portadores de anemia hemolítica auto-imune, utilizando as técnicas PCR em tempo real e microarray, com a finalidade de evitar a aloimunização eritrocitária pós-transfusional. Dentre os transtornos decorrentes da aloimunização, destacam-se o aumento do risco de reação transfusional hemolítica tardia e a redução do número de bolsas de sangue compatíveis para futuras transfusões. No entanto, a aloimunização não ocorre em todos os casos de incompatibilidade para os grupos de pacientes politransfundidos e segundo a literatura, certos grupos de pacientes são mais respondedores às transfusões alogênicas que outros. Uma possível explicação para a resposta seletiva a estes antígenos é a predisposição genética à aloimunização, a qual pode estar relacionada com os fenótipos HLA. Assim, é nossa intenção, analisar uma possível associação entre os alelos HLA-DRB1 e a resposta imune a uma variedade de antígenos de grupos sanguíneos. Considerando também a dificuldade de encontrar sangue compatível para pacientes portadores de anemia hemolítica auto-imune e que a expressão dos antígenos eritrocitários pode estar reduzida nas hemácias de pacientes na fase ativa da doença, temos ainda como objetivo, determinar a expressão dos antígenos de grupos sanguíneos nestes pacientes com a finalidade de associar a identidade do auto-anticorpos formado ao antígeno que perdeu ou teve sua expressão diminuída na membrana eritrocitária.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GUELSIN, GLAUCIA A. S.; RODRIGUES, CAMILA; VISENTAINER, JEANE E. L.; CAMPOS, PAULA DE MELO; TRAINA, FABIOLA; GILLI, SIMONE C. O.; SAAD, SARA T. O.; CASTILHO, LILIAN. Molecular matching for Rh and K reduces red blood cell alloimmunisation in patients with myelodysplastic syndrome. BLOOD TRANSFUSION, v. 13, n. 1, p. 53-58, JAN 2015. Citações Web of Science: 7.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.