Busca avançada
Ano de início
Entree

Pinguim de Magalhães Spheniscus magellanicus (Aves: Spheniscidae) como indicadores da ocorrência de poluentes orgânicos persistentes no Atlântico Sul Ocidental

Processo: 10/07227-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de setembro de 2010
Vigência (Término): 31 de maio de 2014
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária
Pesquisador responsável:Rosalinda Carmela Montone
Beneficiário:Paula Baldassin
Instituição-sede: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):13/05491-2 - Biodisponibilidade do inseticida, fipronil, em pinguim-de-Magalhães Spheniscus magellanicus, BE.EP.DD
Assunto(s):Toxicologia   Poluentes orgânicos   Inseticidas organoclorados   Pinguim-de-Magalhães   Spheniscus magellanicus   Atlântico Sul

Resumo

Poluentes Orgânicos Persistentes (POPs) como os bifenilos policlorados (PCBs), os pesticidas organoclorados (POCs) e os diphenis éter polibromados (PBDEs), permanecem no ambiente por um longo tempo e são disseminados para regiões distantes de suas fontes de origem. Podem ser bioacumulados e apresentar toxicidade crônica para organismos de níveis tróficos superiores como as aves. Os pinguins podem ser bons indicadores de poluição ambiental por POPs, particularmente para o ambiente marinho no hemisfério sul. O pinguim de Magalhães, Spheniscus magellanicus, é o pinguim mais abundante dentre os que vivem em áreas temperadas. Apresentam, ao longo do ano, uma época reprodutiva, permanecendo a maior parte do período em águas argentinas e chilenas, e uma época pelágica, quando realizam uma migração para o norte, passando o inverno na plataforma continental, em frente às costas do Uruguai e do Brasil. Esta proposta tem como objetivo analisar pesticidas organoclorados, PCBs e PBDEs em fígado de pinguins de Magalhães encontrados no litoral sul e sudeste do Brasil, Chile, Argentina e Uruguai. Estudos de poluentes orgânicos persistentes em pinguim de Magalhães são inéditos e os dados obtidos contribuirão para uma melhor compreensão da distribuição e tendência desses poluentes no Atlântico Sul Ocidental. (AU)

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BARRETO, ISANA SOUZA; RIZZATTI DE ALBERGARIA-BARBOSA, ANA CECILIA; PATIRE, VINICIUS FARIAS; SILVA, MARCIO DE JESUS; BALDASSIN, PAULA; TANIGUCHI, SATIE; MONTONE, ROSALINDA CARMELA; GALLO, HUGO; MARANHO, ANDREA; BICEGO, MARCIA CARUSO. Bioavailability of polycyclic aromatic hydrocarbons to penguins on the coast of southeastern Brazil. Marine Pollution Bulletin, v. 157, AUG 2020. Citações Web of Science: 0.
BALDASSIN, P.; TANIGUCHI, S.; GALLO, H.; MARANHO, A.; KOLESNIKOVAS, C.; AMORIM, D. B.; MANSILLA, M.; NAVARRO, R. M.; TABEIRA, L. C.; BICEGO, M. C.; MONTONE, R. C. Persistent organic pollutants in juvenile Magellanic Penguins (Spheniscus magellanicus) in South America. Chemosphere, v. 149, p. 391-399, APR 2016. Citações Web of Science: 7.
REZENDE, G. C.; BALDASSIN, P.; GALLO, H.; SILVA, R. J. Ecological aspects of helminth fauna of Magellanic penguins, Spheniscus magellanicus (aves: Spheniscidae), from the Northern Coast of the State of Sao Paulo, Brazil. Brazilian Journal of Biology, v. 73, n. 1, p. 61-66, FEB 2013. Citações Web of Science: 6.
BALDASSIN, PAULA; TANIGUCHI, SATIE; GALLO, HUGO; SILVA, REINALDO JOSE; MONTONE, ROSALINDA CARMELA. Persistent organic pollutants in juvenile Magellan penguins (Spheniscus magellanicus) found on the northern shore of the state of Sao Paulo and southern shore of the state of Rio de Janeiro, Brazil. Marine Pollution Bulletin, v. 64, n. 11, p. 2502-2506, NOV 2012. Citações Web of Science: 2.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.