Busca avançada
Ano de início
Entree

Paisagem cultural: salvaguarda dos jardins históricos no território das Minas Gerais

Processo: 10/07925-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2010
Vigência (Término): 31 de maio de 2014
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História do Brasil
Pesquisador responsável:Silvana Barbosa Rubino
Beneficiário:Cristiane Maria Magalhães
Instituição-sede: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):12/21377-2 - Jardins históricos brasileiros e portugueses em perspectiva: a construção do conceito de monumento histórico e de patrimônio cultural (séc. XX), BE.EP.DR
Assunto(s):Minas Gerais   Patrimônio cultural   Jardins   História urbana   Políticas públicas

Resumo

Este estudo dedica-se à reflexão e análise dos bens do patrimônio paisagístico urbano em Minas Gerais entendidos como jardins de interesse histórico. Em 1981 o Comitê Internacional dos Jardins Históricos do ICOMOS-IFLA, reunido em Florença, elaborou uma Carta relativa à salvaguarda dos jardins de interesse histórico onde estes bens foram reconhecidos como 'monumentos' passíveis de preservação na mesma medida em que as edificações arquitetônicas. O aporte teórico-conceitual fundamental deste trabalho terá como base eixos temáticos que visem abranger os estudos a respeito da temática do patrimônio histórico, os estudos do paisagismo com foco nos jardins de interesse histórico, as análises das cidades e do urbanismo ao longo do século XX e as problematizações sobre a polissêmica terminologia 'paisagem cultural'. Um dos objetivos principais desta pesquisa é compreender como a preservação dos Jardins Históricos tem se inserido na construção de uma ideia de patrimônio cultural em Minas Gerais. Outra inquietação desta discussão, que tem sentido na história urbana de construção e modificação do espaço, é refletir em que medida os instrumentos de preservação federal, estadual e municipal contribuem para a salvaguarda dos jardins históricos do território mineiro. Observa-se que o conceito de preservação para a paisagem cultural urbana, notadamente os jardins históricos do Estado tem sentido distinto daquele empregado para os outros bens culturais materiais. A hipótese levantada por esta pesquisa é de que o entendimento de preservação dos jardins de interesse histórico em Minas Gerais tem sido respaldado em conceitos arquitetônicos de revitalização urbana e de Ecologia para manejo rotineiro de espécies vegetais e não nas diretrizes convencionadas para a salvaguarda do patrimônio cultural, conforme estabelecem as Cartas e Legislação Patrimoniais. (AU)