Busca avançada
Ano de início
Entree

Aves de rapina no Cerrado e Pantanal do Mato Grosso do Sul: diversidade, abundância, distribuição, movimentos, e efeitos da degradação de hábitat.

Processo: 10/08528-6
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2010
Vigência (Término): 31 de agosto de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia
Pesquisador responsável:Luís Fábio Silveira
Beneficiário:Francisco Voeroes Dénes
Instituição Sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):12/13195-1 - Aves de rapina no Cerrado e Pantanal do Mato Grosso do Sul, Brasil, BE.EP.DR
Assunto(s):Falconiformes   Distribuicão   Pantanal   Cerrado   História natural   Biogeografia   Ornitologia
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Biogeografia | cerrado | distribuicão | Falconiformes | História Natural | Pantanal | Ornitologia

Resumo

As aves de rapina (Ordem Falconiformes), entre outros táxons de aves, são tradicionalmente consideradas indicadores ambientais apropriados. Esta pode não ser uma característica geral do grupo, mas condicional à história-natural de cada espécie (Rodriguez-Estrella et al. 1998). No que diz respeito às aves de rapina neotropicais, a história-natural de muitas espécies ainda é muito pouco conhecida (Olmos et al. 2006, Granzinolli 2009) e as poucas pesquisas no nível de comunidades têm sido voltadas principalmente para as espécies florestais (Manosa et al. 2003). A incorporação de imagens e dados ambientais cada vez mais precisos, provenientes de sensores em satélites, têm permitido às técnicas de sensoriamento remoto e modelos de nicho ecológico iluminar questões fundamentais sobre a biodiversidade (Turner et al. 2003), com aplicações importantes para a conservação, porém ainda pouco usadas em estudos de aves de rapina. Atualmente, aves de rapina neotropicais de ambientes abertos e savanas se encontram especialmente ameaçadas pela perda de habitat (Jensen et al. 2005). Este projeto tem como objetivos: (1) documentar e comparar a riqueza de espécies, a abundância relativa, diversidade e a distribuição de aves de rapina não-migratórias e migratórias em áreas de Cerrado e Pantanal no Estado do Mato Grosso do Sul, comparando esses parâmetros de comunidade entre as estações seca e chuvosa; (2) investigar os efeitos de alterações de hábitat nas populações da área de estudo; (3) estudar o potencial das diferentes espécies desse grupo como indicadores ambientais; e (4) avaliar o método de modelagem de nicho ecológico baseado em entropia máxima (MaxEnt, Phillips et al. 2006) para estudos de biogeografia e conservação de aves de rapina neotropicais.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DENES, FRANCISCO V.; SILVEIRA, LUIS FABIO; BEISSINGER, STEVEN R.. Estimating abundance of unmarked animal populations: accounting for imperfect detection and other sources of zero inflation. METHODS IN ECOLOGY AND EVOLUTION, v. 6, n. 5, p. 543-556, . (12/13195-1, 10/08528-6)
VOEROES DENES, FRANCISCO; SOLYMOS, PETER; LELE, SUBHASH; SILVEIRA, LUIS FABIO; BEISSINGER, STEVEN R.. Biome-scale signatures of land-use change on raptor abundance: insights from single-visit detection-based models. JOURNAL OF APPLIED ECOLOGY, v. 54, n. 4, p. 1268-1278, . (12/13195-1, 10/08528-6)
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
DÉNES, Francisco Voeroes. Abundância de aves de rapina no Cerrado e Pantanal do Mato Grosso do Sul e os efeitos da degradação de hábitat: perspectivas com métodos baseados na detectabilidade. 2014. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências (IBIOC/SB) São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas utilizando este formulário.