Busca avançada
Ano de início
Entree

"Estudos in vitro e in vivo do metabolismo dos compostos majoritários presentes no extrato das folhas de Lychnophora salicifolia Mart. (Asteraceae: Vernonieae)"

Processo: 10/09137-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2010
Vigência (Término): 30 de setembro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Orgânica
Pesquisador responsável:Norberto Peporine Lopes
Beneficiário:Dayana Rubio Gouvea
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:09/51812-0 - Desenvolvimento de uma plataforma para o estudo do metabolismo in vivo e in vitro de produtos naturais, uma necessidade para o sistema de ensaios pré-clínicos, AP.BTA.TEM
Assunto(s):Absorção   Metabolismo   Produtos naturais   Química de produtos naturais

Resumo

A espécie Lychnophora salicifolia Mart. é conhecida popularmente como arnicão, e seu uso etnobotânico frequente é o mesmo observado para a falsa arnica ou arnica da serra (Lychnophora ericoides Mart.) como anti-inflamatório e analgésico. A vicenina-2 é um flavonoide C-glicosilado presente em grande quantidade no extrato hidroalcóolico das folhas de Lychnophora salicifolia. Essa molécula já foi estudada e apresentou ação antiinflamatória e antioxidante. Outra substância também majoritária nesse extrato, o ácido lychnofólico, é um dos responsáveis pela ação antibacteriana, além de ser responsável pela ação antifúngica e ação tripanocida do extrato. Sabendo-se da importância crescente dos produtos naturais, e a dificuldade do uso dos compostos isolados devido ao alto custo envolvido no isolamento e purificação das substâncias e da necessidade de estudos mais completos nessa área, este trabalho visa o estudo em conjunto desses dois compostos majoritários do extrato de L. salicifolia, com propriedades distintas a fim de compararmos os resultados obtidos e incrementar o estudo do metabolismo dos principais compostos presentes no extrato. Dessa forma será estudado tanto o metabolismo in vitro dessas substâncias utilizando microssomas hepáticos de ratos e humanos, e reações com metaloporfirinas para a obtenção de padrões para identificação dos metabolitos formados. Também será avaliada a permeabilidade aparente utilizando células Caco-2 como modelo de avaliação da possível absorção dos compostos em seres humanos além do estudo do perfil farmacocinético das mesmas em ratos.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GOUVEA, DAYANA RUBIO; BELLO RIBEIRO, ARTHUR DE BARROS; THORMANN, URSULA; LOPES, NORBERTO PEPORINE; BUTTERWECK, VERONIKA. Evaluation of Intestinal Permeability of Vicenin-2 and Lychnopholic Acid from Lychnophora salicifolia (Brazilian Arnicao) Using Caco-2 Cells. Journal of Natural Products, v. 77, n. 3, p. 464-471, . (10/09137-0)
GOUVEA, DAYANA R.; BUQUI, GABRIELA A.; LOPES, JOAO LUIS C.; DINIZ, ANDREA; LOPES, NORBERTO P.. An UPLC-MS/MS Method for Determination of Vicenin-2 and Lychnopholic Acid in Rat Plasma and its Application to a Pharmacokinetic Study. Journal of the Brazilian Chemical Society, v. 28, n. 3, SI, p. 427-434, . (10/09137-0)
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
GOUVEA, Dayana Rubio. Estudos in vitro e in vivo do metabolismo dos compostos majoritários presentes no extrato das folhas de Lychnophora salicifolia Mart. (Asteraceae: Vernonieae). 2013. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (PCARP/BC) Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.