Busca avançada
Ano de início
Entree

O tratamento com leptina por 7 e 28 dias altera a função e a morfologia renal de ratos

Processo: 10/51117-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de outubro de 2010
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Maria Oliveira de Souza
Beneficiário:Karina Thieme
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Rim   Leptina   Fibrose   Sistema renina-angiotensina   Losartan   Obesidade   Hipertensão   Modelos animais

Resumo

A obesidade é um importante fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares ou metabólicas e frequentemente, está associada à resistência a leptina. Diversos estudos relatam a importância da leptina no processo de hipertensão arterial relacionada à obesidade. Os mecanismos pelos quais a hiperleptinemia induz a hipertensão incluem: (1) a ativação dos nervos simpáticos que inervam os rins e as glândulas adrenais (2) indução da retenção de sódio, (3) aumento da expressão do vasoconstritor endotelina 1 (ET-1), (4) indução de stress oxidativo e deficiência de óxido nítrico (NO), que resultam em vasoconstrição. A leptina exerce seus efeitos no rim de maneira direta e indireta. O local de ação do hormônio neste órgão ainda não foi elucidado, porém, a identificação de receptores Ob-Rb na medula renal, sugere os duetos coletores medulares como estruturas alvo para a ação da leptina. O Sistema Renina-Angiotensina (SRA) é um importante controlador da pressão arterial e inúmeros estudos sugerem seu envolvimento na hipertensão associada à obesidade. Além disso, tem sido demonstrado que o tecido adiposo é capaz de produzir todos os componentes do SRA e a produção local de ANG II pode diretamente aumentar a liberação de leptina pelos adipócitos. Sendo assim, o objetivo deste trabalho é avaliar os efeitos da hiperleptinemia induzida sobre: (1) a pressão arterial; (2) a função renal; (3) a morfologia renal; (4) os níveis plasmáticos de leptina, ET-1, angiotensina II e IL-6; (5) a excreção urinaria de Na+, K+ e amônia; (6) a expressão de RNAm de genes do SRA e marcadores de injúria renal; (7) a expressão proteica de transportadores e receptores renais e (8) a expressão proteica de marcadores de fibrose renal. Esses parâmetros serão avaliados também em animais tratados com Losartan, para que possamos avaliar a participação do SRA na hipertensão associada à hiperleptinemia. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
THIEME, KARINA; OLIVEIRA-SOUZA, MARIA. Renal Hemodynamic and Morphological Changes after 7 and 28 Days of Leptin Treatment: The Participation of Angiotensin II via the AT(1) Receptor. PLoS One, v. 10, n. 3 MAR 20 2015. Citações Web of Science: 9.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
THIEME, Karina. O tratamento com leptina por 7 e 28 dias altera a função e a morfologia renal de ratos.. 2014. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Ciências Biomédicas São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.