Busca avançada
Ano de início
Entree

Ecotoxicidade, aspectos hematológicos e bioquímicos e eficácia de antibióticos e de ectoparasiticidas em pacu (Piaractus mesopotamicus)

Processo: 10/09888-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2010
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Pesquisador responsável:Maria José Tavares Ranzani de Paiva
Beneficiário:Silvia Patrícia Carraschi de Oliveira
Instituição-sede: Centro de Aquicultura (CAUNESP). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Doenças dos animais   Hematologia veterinária   Pacu   Ecotoxicologia   Bioquímica animal

Resumo

As bactérias gram-negativas e os ectoparasitos são os patógenos mais comuns na aquicultura, causam perdas econômicas e podem se manifestar em interação nos peixes. Os antibióticos enrofloxacina (EF) e florfenicol (FFC) podem ser utilizados para tratamento de bacterioses e os antiparasitários thiamethoxan (TH) e toltrazuril (TOL) são farmoquímicos com potencial terapêutico para serem utilizados na aquicultura. Assim, os objetivos deste projeto serão: 1) estimar a concentração letal 50% (CL50;48h) da EF; do FFC; do TOL e do TH, separadamente e a interação da EF com o TOL e do FFC com o TH para o pacu (Piaractus mesopotamicus); 2) determinar a concentração eficaz de EF e TOL no controle de Aeromonas hydrophila e Ictiophitirius multifiliis e de FFC e TH no controle de A. hydrophila e monogenea em pacu; 3) avaliar as alterações histopatológicas, hematológicas e as bioquímicas do sangue antes e após o tratamento e 4) validar a metodologia de quantificação de cortisol, pelo método de Elisa, para o pacu. Para os testes de toxicidade aguda os animais (peso entre 0,5 e 1,0 g) serão expostos a concentrações crescentes de cada farmoquímico e um controle. Para os testes de eficácia, os peixes serão mantidos em más condições (diminuição de oxigênio, sem alimentação, captura e excesso de matéria orgânica), para desenvolvimento de parasitos e posteriormente, com a diminuição da imunidade, serão infectados com a bactéria. Após a manifestação dos sinais clínicos, iniciará o tratamento com uma concentração de cada farmoquímico, um controle sem infecção e um com infecção. Essas concentrações e o tempo de exposição serão previamente ajustados em testes preliminares de ajuste de concentração-resposta em laboratório. Ao final do experimento serão quantificados os peixes sobreviventes e a quantidade de parasitos ainda existentes. Serão coletadas amostras de sangue para análises hematológicas e bioquímicas do sangue e amostras de brânquia, fígado, pele e rim para análise histopatológica, antes e após o tratamento com os farmoquímicos. Com as amostras de sangue também será quantificado o cortisol, em que será validada a metodologia, pelo método de Elisa, para a espécie. As variáveis de qualidade de água serão mensuradas (pH, temperatura, condutividade elétrica, oxigênio dissolvido e amônia) durante os testes de toxicidade aguda e durante os experimentos de eficácia. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
OLIVEIRA, Silvia Patrícia Carraschi de. Ecotoxicidade, segurança clínica e eficácia de fármacos em jovens de pacu (Piaractus mesopotamicus). 2014. 83 f. Tese de Doutorado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Centro de Aquicultura.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.