Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo químico do efeito translaminar, sistêmico e de contato do óleo do neem puro e nano-encapsulado sobre bemisia tabaci (genn.) biótipo b em tomateiro

Processo: 10/10477-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2010
Vigência (Término): 30 de setembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Orgânica
Pesquisador responsável:Maria Fátima das Graças Fernandes da Silva
Beneficiário:Israel Cívico Gil de Sá
Instituição-sede: Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia (CCET). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:08/57859-5 - Controle biorracional de insetos pragas, AP.TEM
Assunto(s):Bemisia tabaci   Inseticidas   Produtos naturais   Fitoquímica   Meliaceae

Resumo

Os constituintes do Neem apresentam um baixo tempo de residência em campo o que inviabiliza a sua aplicação em cultivos que demandam por uma proteção prolongada, e não apenas uma momentânea erradicação. Esta baixa estabilidade dos compostos ativos do Neem ocorre por serem sensíveis à luz do sol e a temperatura. Considerando esta instabilidade dos princípios ativos o grupo de PN da UFSCar vem desenvolvendo metodologias para encapsular o óleo de Neem enriquecido nos princípios ativos. A remoção inicial dos interferentes apolares das sementes de Neem favoreceu o processo de preparação de extratos etanólicos com elevados teores de azadirachtinas. A micronização prévia das sementes favoreceu o processo de difusão celular do composto ativo para o meio extrator. O extrato com elevados teores de azadirachtina mostrou-se prático e facilmente incorporado ao óleo. Posteriormente pode-se produzir com o óleo enriquecido nanocápsulas (NC) e nanoesféras (NS) com diferentes teores de azadirachtina e diferentes biopolímeros. A técnica de preparação por nanoprecipitação mostrou-se simples com resultados reprodutivos, e com possibilidades de transferência para escala industrial. Os biopolímeros ²-ciclodextrina, PCL (poli-e-(caprolactona) e PHB poli-b-(hidroxibutirato) foram usados no preparo de nanopartículas, podendo suas propriedades ser individualmente ou coletivamente (blendas) exploradas. A técnica de preparação por nanoprecipitação proporcionou elevadas taxas de recuperação do composto ativo com uma eficiência média de encapsulação de 78%. A técnica de secagem por aspersão mostrou-se eficiente no preparo de pós nebulizados a partir das suspensões de nanocápsulas e nanoesféras com rendimentos satisfatórios. Estas nanocápsulas e nanoesféras foram ensaiadas frente ao desenvolvimento de alguns insetos, porém os resultados indicaram a necessidade de novos experimentos. Apesar da redução de peso em alguns tratamentos a mortalidade não foi considerável. Assim, será necessário reavaliar a forma de liberação da azadirachtina e a metodologia empregada nos experimentos com os insetos. Analisando vários trabalhos na literatura conclui-se ser necessário reavaliar o efeito inseticida translaminar, sistêmico e de contato do óleo de Neem puro e nano-encapsulado sobre ninfas de Bemisia tabaci (Genn.) biótipo B em tomateiro. Com isto, os objetivos do projeto são: 1. Avaliar a ação translaminar das nonopartículas do óleo de Neem com ²-ciclodextrina, PCL (poli-e-(caprolactona) e PHB (poli-b-hidroxibutirato) sobre ninfas de Bemisia tabaci (Genn.) biótipo B em tomateiro; 2. Avaliar a ação sistêmica das nonopartículas do óleo de Neem com ²-ciclodextrina, PCL (poli-e-(caprolactona) e PHB (poli-b-hidroxibutirato) sobre ninfas de Bemisia tabaci (Genn.) biótipo B em tomateiro; 3. Avaliar a ação de contato das nonopartículas do óleo de Neem com ²-ciclodextrina, PCL (poli-e-(caprolactona) e PHB (poli-b-hidroxibutirato) sobre ninfas de Bemisia tabaci (Genn.) biótipo B em tomateiro, 5.1 Na avaliação da ação translaminar o óleo ou a nanoformulação são aplicadas na face adaxial de folhas infestadas com ninfas, as quais se encontram na face abaxial dos folíolos. Neste caso, visando verificar a ação translaminar as azadirachtinas A e B serão quantificadas na face adaxial; 5.2 Na avaliação da ação sistêmica as azadirachtinas A e B serão quantificadas na folha como um todo, mas também em todas as demais partes da planta, raiz e caule; 5.3 Na avaliação da ação de contato as azadirachtinas A e B serão quantificadas nas ninfas de Bemisia tabaci, 5.4 Em todos os ensaios também serão analisados via LC-MS/MS se as azadirachtinas A e B estão sendo metabolizadas.