Busca avançada
Ano de início
Entree

Crescimento de Emerita brasiliensis Schmitt, 1935 (Crustacea, Anomura, Hippidae), em Ubatuba (SP)

Processo: 10/15193-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2010
Vigência (Término): 31 de outubro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Morfologia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:Marcelo Antonio Amaro Pinheiro
Beneficiário:Bruna Trevisan Souza Szucko
Instituição-sede: Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus Experimental do Litoral Paulista. São Vicente , SP, Brasil
Assunto(s):Crustacea   Crescimento animal   Curvas de crescimento

Resumo

O conhecimento da taxa de crescimento e a estimativa da idade de crustáceos decápodos em função do tamanho são informações de extrema importância em análise do ciclo de vida de uma espécie. O presente estudo visa determinar a curva de crescimento em tamanho de Emerita brasiliensis SCHMITT, 1935, em Ubatuba (SP). Os exemplares foram obtidos manualmente ou com peneiras em coletas mensais, durante um ano (outubro/1996 a setembro/1997). Os espécimes serão sexados, medidos (CC, comprimento da carapaça) e distribuídos em classes de tamanho (1mm). Os dados obtidos mensalmente serão submetidos ao programa FiSAT, para decomposição das componentes normais pelo método de BATTACHARYA (1967) e confirmação pela rotina NORMSEP. De posse das médias e desvios padrão mensais, os dados serão plotados, com união das médias e constituição das cortes etárias anuais. A curva de crescimento de cada sexo será obtida pela determinação do tamanho máximo assintótico (CC) e constante de crescimento (k), estimados a partir de um modelo não linear ponderado pelo algoritmo de Marquardt. A rotina ELEFAN do FiSAT será utilizada para checar os valores de "CC" e "k", verificando sua aceitabilidade biológica. Para cada sexo o ajuste dos pontos empíricos será avaliado pelo modelo de Von Bertalanffy (sazonal e não sazonal), com estabelecimento da longevidade (tmáx) e tamanho máximo (CCmáx), este último com base em 95% do tamanho assintótico (CC). Os dados obtidos serão confrontados aos já disponíveis na literatura para outras espécies congenéricas, verificando um possível padrão para os Hippoidea. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.