Busca avançada
Ano de início
Entree

"células solares orgânicas baseadas em nanotubos de dissulfeto de molibdênio (MoS2)"

Processo: 10/17732-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2011
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Inorgânica
Pesquisador responsável:Ana Flávia Nogueira
Beneficiário:Vanessa Ferreira de Almeida
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Polímeros condutores   Células solares   Energia solar

Resumo

Células solares orgânicas são dispositivos capazes de transformar energia solar em energia elétrica. Seu mecanismo é constituído basicamente da absorção de um fóton pelo semicondutor orgânico, que por sua vez, estimula a excitação de um elétron da banda de valência para a banda de condução, originando um éxciton, par elétron-buraco que precisa ser dissociado em cargas livres para gerar a fotocorrente. O dispositivo fotovoltaico orgânico apresenta vantangens em relação a células solares de sílicio, como por exemplo: fabricação em diversas cores; flexibilidade e transparência, propriedades eletrônicas, ópticas e de transporte facilmente manipuláveis com a modificação da estrutura e da composição química destes materiais. Dessa forma, estruturou-se este projeto, baseado na adição de nanotubos de MoS2 e o polímero poli(3-hexiltiofeno) nesses dispositivos de heterojunção dispersa em células solares orgânicas, com o objetivo de estudar atuação desse material inorgânico em células solares orgânicas. Os nanotubos de sulfeto de molibdênio que serão utilizados neste trabalho serão sintetizados pelo método hidrotérmico fazendo uso de uma autoclave e serão caracterizados por métodos microscópicos e espectroscópicos. A motivação para realização deste trabalho provém do fato do nosso grupo já ter uma experiência com incorporação de nanotubos de carbono nesse tipo de dispositivo. Além disso, aplicação de nanotubos inorgânicos em dispositivos fotovoltaicos se mostra bastante inovador e daí surgiu a idéia de introduzi-los em dispositivos orgânicos de heterojunção dispersa.