Busca avançada
Ano de início
Entree

Armazenamento de plântulas de Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos

Processo: 10/04074-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2011
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal
Pesquisador responsável:Edson Seizo Mori
Beneficiário:Isliana Griebler Ribeiro Caldas
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Plântulas   Armazenamento   Sementes

Resumo

A preocupação com a conservação das florestas tropicais e a necessidade de recuperar áreas degradadas, vem causando o aumento na demanda de mudas de espécies florestais e consequentemente de sementes. Para se obter mudas de boa qualidade são necessárias sementes de boa procedência, e que essas sejam armazenadas de forma adequada para não prejudicar sua qualidade. Porém, as espécies apresentam exigências diferentes, o que faz necessário o estudo de métodos de armazenamento. Aquelas sementes com tolerância a dessecação, as chamadas ortodoxas, possuem maior longevidade quando comparadas às recalcitrantes, com baixa tolerância à dessecação e longevidade reduzida, necessitando de condições de armazenamento diferenciadas. Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos, ipê roxo, é uma espécie da família Bignoniaceae que possui diversos usos, sua madeira de ótima qualidade é utilizada para confecção de assoalhos, suas flores de grande beleza tornaram-na muito utilizada no paisagismo, e sua importância ecológica permite que seja usada em programas de recuperação ambiental. Espécies do gênero Handroanthus possuem grande quantidade de sementes aladas, dispersas pelo vento. Possuem comportamento ortodoxo quanto ao armazenamento, porém quando não são armazenadas de forma adequada perdem rapidamente sua viabilidade. Buscando desenvolver novas técnicas que prolonguem o período de conservação de espécies florestais, o objetivo do trabalho foi armazenar sementes de Handroanthus heptaphyllus (Vell.) de duas formas: Estudo 1 - armazenar sementes germinadas de Handroanthus heptaphyllus em substrato com diferentes níveis de capacidade de retenção de água; Estudo 2 - prolongar o tempo de armazenamento das sementes germinadas restabelecendo a tolerância à dessecação da raiz primária através do tratamento com polietilenoglicol (PEG). O armazenamento foi feito em câmara fria (10ºC), em substrato com três níveis de capacidade de retenção de água (0, 30 e 60%). As sementes germinadas foram avaliadas mensalmente, durante nove meses, em condições de câmara de germinação a 25ºC com 8h/diárias de luz (30 dias), seguindo para o viveiro para acompanhar seu desenvolvimento (casa de vegetação - 30 dias; casa de sombra - 30 dias; pleno sol - 45 dias). Foi possível armazenar sementes germinadas de ipê, assim como restabelecer a tolerância à dessecação nas mesmas. Os resultados do estudo 1 mostraram que é possível armazenar sementes germinadas na condição de 0% durante 7 meses, com cerca de 50% de sobrevivência. No estudo 2, as sementes germinadas tratadas com PEG não apresentaram período de armazenamento prolongado devido a alta mortalidade ao longo dos meses. Em ambos os estudos a sobrevivência, assim como o desenvolvimento de plântulas normais diminuíram ao longo do tempo. Com base nestes resultados pode-se dizer que o ipê-roxo pode ser armazenado como sementes germinadas na condição de 0% de capacidade de retenção de água, apesar de,mais estudos serem necessários para afinar a metodologia proposta.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
CALDAS, Isliana Griebler Ribeiro. Armazenamento de sementes germinadas de Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos e seu comportamento em viveiro. 2015. 87 f. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Ciências Agronômicas (Campus de Botucatu)..

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.