Busca avançada
Ano de início
Entree

Procedimentos de ensino de discriminações simples e condicionais para bebês até 24 meses

Processo: 10/15602-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2011
Vigência (Término): 31 de agosto de 2013
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Experimental
Pesquisador responsável:Maria Stella Coutinho de Alcantara Gil
Beneficiário:Naiara Minto de Sousa
Instituição-sede: Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Análise do comportamento   Bebês

Resumo

A Equivalência de Estímulos tem se mostrado modelo explicativo frutífero no estudo do comportamento simbólico em diferentes populações, mas requer, ainda, ampliar as investigações para a compreensão da ontogênese do comportamento de relacionar estímulos arbitrários por indivíduos com repertório verbal e história pré-experimental restritos. Dentre as pesquisas sobre a aprendizagem de repertórios discriminativos condicionais por bebês menores de 24 meses, alguns estudos lhes propuseram tarefas com variações nos procedimentos de discriminação simples, esta considerada um repertório menos complexo. Especificamente, neste trabalho, dois experimentos investigaram parâmetros envolvidos em tarefas de discriminações simples, tais como: o contato inicial com S+ ou com S-; a utilização de estímulos diferentes para as funções de antecedente e conseqüente, ou de um mesmo estímulo com dupla função; e ainda, a aquisição de discriminações condicionais arbitrárias auditivo-visuais com respostas específicas em um procedimento de ensino que se assemelhava à situação natural pela natureza da tarefa, pelos estímulos apresentados e pelas respostas requeridas. Quanto às discriminações simples, concluiu-se sobre o efeito facilitador do contato inicial com S- para a aprendizagem da tarefa; os dados com os estímulos exercendo funções distintas ou acumulando a dupla função de antecedente e conseqüente foram insuficientes para conclusões. A respeito da aquisição de discriminações condicionais, confirmou-se a relativa facilidade na aprendizagem das tarefas auditivo-visuais em relação à aprendizagem de relações visual-visuais e destacou-se o efeito facilitador da seleção de estímulos, de respostas e de tarefas próximas aquelas solicitadas e treinadas em situação natural de interação adulto-criança cotidiana. O terceiro experimento, aqui apresentado na forma de projeto, dá continuidade ao estudo da formação de relações condicionais por bebes. Neste estudo com bebês entre 12 e 24 meses, serão treinadas três relações condicionais auditivo-visuais (AB/nome-objeto, AC/nome-foto e AD/nome-vídeo) empregando quatro estímulos - dois familiares e dois "abstratos" - cada um exposto em quatro modalidades de apresentação (A - som; B - objeto; C - foto do objeto; D - vídeo do objeto em movimento) visando produzir relações condicionais arbitrárias. Serão testadas duas relações (CB, DB) como forma de verificar a formação de classes equivalentes de três (ABC) e quatro estímulos cada (ABCD) e serão retestadas quatro relações (AC, AD, CB, DB) para verificar a manutenção das classes equivalentes de quatro estímulos.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DE SOUSA, NAIARA MINTO; GARCIA, LUCAS TADEU; COUTINHO DE ALCANTARA GIL, MARIA STELLA. Differential Reinforcement in Simple Discrimination Learning in 10-to 20-Month-Old Toddlers. PSYCHOLOGICAL RECORD, v. 65, n. 1, p. 31-40, MAR 2015. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.