Busca avançada
Ano de início
Entree

Processamento temporal e dificuldades ortográficas

Processo: 10/20139-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2011
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fonoaudiologia
Pesquisador responsável:Liliane Desgualdo Pereira
Beneficiário:Mariana Augusta Camasmie Peters
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Audiologia   Testes auditivos   Percepção auditiva   Adolescentes   Dislexia

Resumo

Codificação de informações temporais do som como sua duração, intervalo e ordem de aparecimento dos estímulos provê informações vitais no processo de analisar as pistas acústicas que o falante emitiu. Este processamento temporal é fundamental para percepção de fala e de leitura/escrita. Para desenvolver o sistema ortográfico necessita-se saber a que sons as letras correspondem, compreender que uma mesma letra pode representar vários sons, assim como um mesmo som pode ser representado por diversas letras, além de diferenciar o traçado das letras e identificar a posição da letra dentro da palavra. Conexões deficientes entre os fonemas, as palavras faladas e as sequências de letras impressas rudimentares estão presentes em escolares com distúrbio específico da leitura. Objetivo. Verificar possíveis relações entre o desempenho em tarefas de ordenação e resolução temporal e presença de dificuldade ortográfica em pacientes com distúrbio específico de leitura e escrita. Método. Esta pesquisa será realizada no laboratório de pesquisa em Neuroaudiologia do Departamento de Fonoaudiologia da UNIFESP, serão selecionados, por conveniência, 20 pacientes em idade escolar, isto é, desde 10 anos até 25 anos, de ambos os sexos, e que tenham o diagnóstico fonoaudiológico de distúrbio especifico de leitura associado a dificuldades ortográficas, denominado Grupo Estudo. Outro grupo de comparação será formado por 20 estudantes de mesma faixa etária e sem queixas de problemas escolares. Ambos os grupos serão constituídos por adolescentes que freqüentam a escola regular denominada de Ensino Fundamental ou Médio em escola pública ou privada e cujos pais e/ou responsável concordarem com a participação voluntária destes indivíduos nesta pesquisa firmada através do termo de consentimento livre e esclarecido. Todos os participantes selecionados serão submetidos a uma entrevista, a uma triagem auditiva e também aos testes auditivos de processamento temporal, denominados de GAP-IN-NOISE , denominado abreviadamente de GIN e teste de reconhecimento e padrão de duração de sons melódicos. Os dados serão analisados estatisticamente. Com esse trabalho espera-se obter subsídios para atuação na reabilitação fonoaudiológica de indivíduos com distúrbios ortográficos