Busca avançada
Ano de início
Entree

Genética da conservação dos pinguins Magalhães e Humboldt

Processo: 10/17741-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2011
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Animal
Pesquisador responsável:Gisele Pires de Mendonça Dantas
Beneficiário:Gabriella Cardoso Maria
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Fluxo gênico   Repetições de microssatélites

Resumo

O aumento da atividade humana tem provocado mudanças na temperatura global, gerando impactos nas correntes marinhas. As alterações das correntes marinhas provocam o declínio de algumas espécies e migração incomum de outras, modificando o ecossistema. Recentemente podemos observar as consequências das mudanças climáticas em Pingüins de Magalhães (Spheniscus magellanicus) e Pingüins de Humboldt (Spheniscus humboldtii). Os Pingüins de Magalhães (Spheniscus magellanicus) nos meses de inverno chegam a costa brasileira, geralmente até o litoral do Rio de Janeiro, por conta de deslocamentos erráticos, porém estão sendo encontrados no litoral da Bahia, considerado um evento anormal, sugerindo que o efeito da modificação das correntes marinhas podem afetar a disperção destas espécies. Já os Pingüins de Humboldt (Spheniscus humboldtii) estão tendo um declínio populacional por conta das longas viagens de forrageio, ocasionado pelo aumento da temperatura do mar. Dessa forma, estudos de genética de populações em pingüins sul americanos são necessários para que haja a compreensão de como estas espécies se comportam com modificações climáticas e para a conservação e recuperação da história evolutiva das espécies.Dentro desse contexto, o presente trabalho visa estudar a variabilidade genética das populações de Pingüins de Magalhães (Spheniscus magellanicus) e Pingüins de Humboldt (Spheniscus humboldtii), com o uso de marcadores microssatélites buscando verificar como a variabilidade genética esta distribuída ao longo das principais colônias de pingüim de Magalhães e dos pingüim de Humboldt na América do Sul e inferir de onde são os indivíduos vagantes que chegam a costa do Brasil.