Busca avançada
Ano de início
Entree

A crença na existência do mundo exterior e o ceticismo mitigado em Hume.

Processo: 10/11305-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2011
Vigência (Término): 31 de julho de 2012
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Filosofia - História da Filosofia
Pesquisador responsável:Jose Oscar de Almeida Marques
Beneficiário:Laila Thaís Correa e Silva
Instituição-sede: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Ceticismo   Empirismo   Imaginação

Resumo

David Hume, no Tratado sobre a Natureza Humana, livro1, parte 4, seção 2, "Do ceticismo quanto aos sentidos", pretende explicar a causa de nossa crença na existência do mundo exterior, isto é, a crença em existências contínuas e distintas da mente e da percepção. Nessa seção Hume argumenta que essas existências contínuas e distintas são ficções da imaginação e como tais não merecem nosso assentimento e confiança. Essa situação embaraçosa conduz Hume a um ceticismo radical que, segundo o próprio filosofo, somente pode ser curado por meio do "descuido e desatenção". Mas, como poderíamos interpretar essa declaração de Hume? Nossa proposta de interpretação defende que através do conceito humeano de ceticismo mitigado presente no Tratado, livro 1, parte 4, seção 7, "Conclusão deste livro", e na Investigação Acerca do Entendimento Humano, seção 12, "Da filosofia acadêmica ou cética", somos capazes de compreendê-la. Nas duas obras mencionadas Hume apresenta o modo de investigação filosófica que é o mais adequado, a saber: o cético. Contudo, o ceticismo de Hume não é, diz ele, o ceticismo radical que impede toda a ação e, sim, é um ceticismo mais mitigado que combina consigo uma parcela da "mistura bruta e terrena" (T 1.4.7.14), constituinte da vida comum e afazeres cotidianos. Então, no âmbito da crença na existência do mundo exterior, o descuido e a desatenção seriam predicados de nossa vida ordinária que para Hume influenciariam de modo positivo o exercício filosófico, mitigando nossas dúvidas céticas radicais e, conseqüentemente, salvando nossas crenças de um ceticismo radical destrutivo.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
SILVA, Laila Thaís Correa e. A crença na existência do mundo exterior e o ceticismo mitigado em Hume. 2012. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.