Busca avançada
Ano de início
Entree

O impacto da privação materna no comportamento-tipo depressivo induzido pelo estresse crônico moderado: relação com as monoaminas cerebrais

Processo: 10/13247-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2011
Vigência (Término): 31 de julho de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Deborah Suchecki
Beneficiário:Karina Kores Dorsa
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Modelos animais   Depressão   Ratos

Resumo

É bem conhecido o papel fundamental do estresse como precipitante de episódios de transtornos psiquiátricos em indivíduos predispostos. Essas anormalidades parecem estar relacionadas, por um lado, às mudanças na capacidade dos glicocorticóides circulantes em exercer seu feedback negativo na secreção dos hormônios do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA); por outro lado, a exposição prolongada ao estresse encontra-se associada a numerosas alterações em monoaminas cerebrais (serotonina e noradrenalina). Estudos epidemiológicos indicam a existência de co-morbidade entre dois ou mais diagnósticos psiquiátricos como uma situação mais comum do que a presença de apenas um transtorno mental. No que concerne à depressão melancólica os transtornos de ansiedade são os mais comumente relacionados, com taxas de co-morbidade situando-se em torno de 50 a 60%. Visto que o estresse precoce aumenta a vulnerabilidade individual para o desenvolvimento de transtornos psiquiátricos induzidos pelo estresse na idade adulta e a grande co-morbidade entre os transtornos ansiosos e de humor, a proposta do presente estudo é avaliar a influência da privação materna em diferentes idades sobre o comportamento-tipo depressivo de ratos machos adultos e avaliar as concentrações de monoaminas em regiões do sistema nervoso central envolvidas no transtorno depressivo. Para tanto avaliaremos a instalação do comportamento-tipo depressivo induzido pelo paradigma de estresse crônico moderado (ECM) pela quantificação do consumo de sacarose (medida de anedonia); determinaremos as concentrações plasmáticas de corticosterona durante o ECM pelo método de radioimunoensaio e por fim determinaremos as concentrações de monoaminas em regiões cerebrais envolvidas com emocionalidade e resposta ao estresse (hipocampo ventral, amígdala e córtex pré-frontal, hipotálamo, locus ceruleus e núcleos da Rafe) pela metodologia do High Performance Liquid Chromatography (HPLC). Assim, esperamos que os resultados dessa proposta possam fornecer mais evidências sobre a influência do estresse neonatal na vulnerabilidade aos transtornos induzidos por estresse.