Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da participação dós processos apoptóticos, necróticos e autofágicos ná hipoplasia medular dè camundongos submetidos à desnutrição proteica

Processo: 10/13329-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2011
Vigência (Término): 31 de outubro de 2012
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Primavera Borelli Garcia
Beneficiário:Jackeline Soares de Oliveira Beltran
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Necrose   Células-tronco   Desnutrição   Apoptose   Autofagia   Hematologia

Resumo

A desnutrição é um dos principais problemas de saúde pública do mundo, sendo a desnutrição protéico-calórica uma das formas mais freqüentes. A origem da desnutrição pode ser decorrente da deficiência ou ausência de qualquer nutriente sendo que sua instalação e gravidade dependem da causa, intensidade e duração da carência. Pode ser causada, primariamente, por dieta inadequada ou, secundariamente, por deficiência na absorção e ou ingestão deficiente, por aumento da utilização ou ainda, pela excreção excessiva de nutrientes.A restrição protéica modifica as respostas fisiológicas podendo induzir lesão celular;portanto, mecanismos envolvidos com a proliferação, diferenciação e morte celular podem alterar-se na desnutrição, afetando diferentemente os distintos tecidos do organismo. A elevada e constante necessidade de proteínas por parte do tecido hemopoético faz com que seja comum o encontro de alterações hematológicas como anemia e leucopenia em desnutrição protéica e alterações hematológicas quantitativas com anemia ,leucopenia , linfocitopenia e neutropenia que são um reflexo do comprometimento dos órgãos linfo-hemopoéticos em condições de desnutrição e estão associadas à modificação da resposta imune que se traduz por maior suscetibilidade à infecção .Estudos no nosso laboratório tem demonstrado, na desnutrição protéica, hipoplasia de medula óssea de camundongos com evidências histológicas de alteração da MEC ( Matriz Extra Celular ). Sobre a desnutrição proteica alguns estudos demonstraram que os desequilíbrios nutricionais podem facilmente induzir a morte celular programada (apoptose)que é um tipo de autodestruição celular, de natureza fisiológica, que requer energia e síntese protéica para a sua execução , pode induzir também uma necrose que está relacionada a agressões severas e levam à queda acentuada na produção de ATP ou lesão na membrana tais como hipóxia, isquemia dentre outros e também ocorre em doenças relacionadas a erros inatos do metabolismo e desequilíbrios nutricionais.A todo o momento nossas células se digerem e se renovam, desfazendo e reaproveitando proteínas por meio de um mecanismo biológico chamado autofagia. Visto antes apenas como um processo de morte celular, essa forma de autodestruição seletiva de componentes celulares mostra-se agora como um artifício de sobrevivência dos organismos .Autofagia pode ser estimulada em determinadas situações, como por exemplo: a fome e por desequilíbrios nutricionais e metabólicos. Quando é induzida por essas condições a autofagia mantém um "pool" de aminoácidos para que as proteínas essenciais possam ser sintetizadas é uma forma de morte celular programada em que a célula digere algumas de suas próprias organelas fornecendo os nutrientes necessários. Compreender a interação entre essas diferentes formas de morte celular e desequilíbrios nutricionais é importante em função de seu profundo impacto no desenvolvimento, crescimento e função imunológica . Em virtude do exposto anteriormente e considerando os resultados anteriores de nosso grupo evidenciamos que a desnutrição protéica leva a comprometimento da hemopoese, hipoplasia medular com pancitopenia periférica, alterações na matriz extracelular, permanência de células tronco/progenitoras na fase G0/G1 do ciclo celular, aumento nas concentrações plasmáticas de glicocorticóide e redução de insulina e IGF1, nos propomos, neste projeto a avaliar a participação dos processos apoptóticos, necróticos e autofágicos na hipoplasia supra mencionada .