Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da atividade da enzima quitotriosidase como marcador da apnéia obstrutiva do sono

Processo: 10/17248-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2011
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Vânia D'Almeida
Beneficiário:Priscila Tamanaha
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Distúrbios do sono   Apneia obstrutiva do sono   Biomarcadores   Polimorfismo genético   Atividade enzimática

Resumo

Avaliação da atividade da enzima quitotriosidase como marcador da apnéia obstrutiva do sonoUm dos principais distúrbios do sono é a SAHOS (Síndrome da Apnéia e Hipopnéia Obstrutiva do Sono), caracterizada por episódios recorrentes de obstrução total ou parcial das vias aéreas superiores (VAS) durante o sono. A falta de uma ventilação alveolar adequada resulta, geralmente, em dessaturação da oxi-hemoglobina e 3% e, em casos mais prolongados, em hipercapnia. Os eventos são finalizados por microdespertares com duração de 10s ou mais, sendo estes os principais responsáveis pelo cansaço e sonolência diurnos, sintomas comuns entre os pacientes. A SAHOS acomete principalmente homens de meia idade e abarca uma série de achados clínicos, como o ronco e doenças como obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares, hipertensão arterial sistêmica, insuficiência cardíaca congestiva, doença arterial coronariana, hipertensão pulmonar, acidente vascular encefálico. Sendo, portanto um fator importante no aumento de acidentes e mortalidade dos indivíduos acometidos por ela.A quitotriosidase (QT) humana, membro da família das quitinases, possui sequência homóloga a outras quitinas de plantas, nematodos, bactérias, fungos e insetos e é sintetizada por células progenitoras (granulócitos neutrofílicos) e armazenada em seus grânulos. É secretada principalmente pelos macrófagos submetidos a estímulos como o acúmulo lisossomal de lipídeos acima do normal - p. ex. na doença de Gaucher, sendo utilizada como biomarcador para essa doença -, ou cultura prolongada de macrófagos derivados de monócitos do sangue periférico. Sua expressão específica em fagócitos sugere uma importância fisiológica na defesa do organismo contra patógenos ou alérgenos que possam conter a quitina. Há estudos que evidenciam seu aumento em pessoas com malaria, sarcoidose, talassemia, além de indivíduos com doenças ateroscleróticas, sugerindo seu uso como biomarcador para essa patologia. Dados do nosso laboratório evidenciam que há aumento dos níveis plasmáticos da QT em camundongos privados de sono por 72 horas se comparados a animais controle e privados de sono por 72 horas mas com rebote de 24 horas. Tendo em vista esses dados, a motivação para esse estudo está em verificar se há alguma relação entre os níveis de QT e a apnéia obstrutiva do sono, condição que sabidamente reduz o tempo de sono dos pacientes. Se observarmos uma modificação dos níveis de QT em pacientes com SAHOS, pretendemos investigar se essa enzima pode ser utilizada como um biomarcador para indivíduos propensos a ter esse distúrbio do sono, talvez tendo alguma correlação com o IAH, o que auxiliaria no diagnóstico, na prevenção e no acompanhamento do tratamento.Para esse estudo, serão selecionados 75 pacientes com apnéia obstrutiva do sono e 75 indivíduos saudáveis, pareados por idade, sexo e IMC. Todos os indivíduos deverão assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido antes do início de sua participação no estudo. E, dentre os critérios de inclusão no experimento, serão utilizados os questionários de Berlim, a Escala de Sonolência de Epworth, a PSG sendo todos os dados registrados em uma Ficha de Avaliação com a identificação de cada individuo. As avaliações bioquímicas serão realizadas no laboratório de Erros Inatos do Metabolismo - UNIFESP, assim como a dosagem da atividade enzimática da quitotriosidase em plasma que será realizada de acordo com o método de Hollak e colaboradores em 1994. Para a genotipagem do gene CHIT, como a deficiência de QT é causada por uma duplicação de 24pb no éxon 10 do gene CHIT1, será utilizada uma reação em cadeia da polimerase (PCR). Assim, é possível identificar indivíduos deficientes, heterozigotos e indivíduos normais.