Busca avançada
Ano de início
Entree

Espécies saxícolas da família Parmeliaceae (Ascomycetes liquenizados) na Serra da Mantiqueira e arredores

Processo: 10/52169-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2011
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Taxonomia Vegetal
Pesquisador responsável:Marcelo Pinto Marcelli
Beneficiário:Bianca Regina da Hora
Instituição-sede: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Parmeliaceae   Líquens   Serra da Mantiqueira

Resumo

A Serra da Mantiqueira, situada entre os estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, apresenta altitudes elevadas superiores a 800 m e uma grande abundância e diversidade de fungos liquenizados foliosos, dentre os quais se evidenciam espécies saxícolas da família Parmeliaceae, que nunca foram estudadas apesar de representarem a família de fungos liquenizados (liquens) mais importante na paisagem liquênica do Brasil. A família Parmeliaceae Eschw. abrange aquelas espécies de talos foliosos, corticados em ambas as superfícies, raramente sem rizinas, apotécios sésseis laminais ou raramente marginais, ascósporos unicelulares incolores, e tem como fotobionte a Chlorophyta unicelular Trebouxia. No Brasil foram listados até o momento 19 gêneros e 275 espécies de Parme/íaceae e para a região da Serra da Mantiqueira e arredores 152 espécies de 13 gêneros, mas nenhum estudo se dedicou às espécies saxícolas. O objetivo deste projeto é realizar o primeiro levantamento das espécies da família Parmeliaceae encontrados sobre rochas e outros substratos minerais nas altitudes acima de 800m na Serra da Mantiqueira e arredores utilizando-se de métodos clássicos de identificação, a única maneira possível de comparar, no momento e no prazo de doutorado, o material encontrado com os dados de literatura, coletas antigas identificadas e o material tipo dos táxons. Coletas intensivas e extensivas serão realizadas em áreas de preservação federais, estaduais e particulares dos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, porém estendendo-se a regiões de particular interesse por sua importância histórica e taxonômica (e.g. Serra do Caraça, em minas gerais, localidade tipo de muitas espécies brasileiras) ou de esperada alta diversidade da família (Serra dos Órgãos, PARNA Caparão e montanhas do Espírito Santo). O material obtido será submetido à minuciosa análise descritiva de acordo com o protocolo desenvolvido pelo Grupo de Estudos Liquenológicos (GEL) do Instituto de Botânica, que envolve inspeção, descrição e medição de mais de 80 características macro e microscópicas, bem como identificação de ácidos liquênicos de importância taxonômica por cromatografia em camada delgada e/ou microcristalização e, sempre que necessária comparação com material tipo ou certificado por especialistas na família, solicitados a herbários do exterior ou presentes na coleção de liquens do Instituto de Botânica. Problemas taxonômicos, como por exemplo, de sinonímia ou tipificação, que forem encontrados, procurarão ser resolvidos durante o prazo do doutorado, bem como a descrição de novos táxons porventura encontrados. A tese, possivelmente organizada por gêneros, será produzida em forma de capítulos preparados para publicação e escritos em inglês, que conterão chaves de identificação, ilustração de todas as espécies e descrições detalhadas produzidas. (AU)