Busca avançada
Ano de início
Entree

Verificação de possíveis alterações na atividade de telomerase de formas promastigotas de Leishmania (L.) amazonensis frente ao tratamento com peróxido de hidrogênio

Processo: 10/19933-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2011
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Maria Isabel Nogueira Cano
Beneficiário:Paulo Vinicius da Mata Madeira
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Peróxido de hidrogênio   Telômero   Leishmania mexicana   Leishmaniose   Telomerase

Resumo

A leishmaniose é um espectro de doenças que atinge milhões de pessoas no mundo, com 350 milhões de indivíduos em risco. Os dois milhões de novos casos e as 70 mil mortes por ano evidenciam a importância epidemiológica dessa zoonose. Os tratamentos atuais baseiam-se em drogas que apresentam alta toxicidade, terapias prolongadas, administração parenteral, baixa eficácia e alto custo em algumas situações. Por estes motivos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) tem incentivado o desenvolvimento de novas terapias para o tratamento desta parasitose. Os representantes do gênero Leishmania apresentam, assim como outros grupos, telômeros nas porções finais de seus cromossomos. Os telômeros são responsáveis pela proteção destas porções finais, essas estruturas são essenciais para a replicação completa do DNA telomérico durante a divisão celular. A ribonucleoproteína denominada telomerase é a holoenzima responsável pela manutenção dos telômeros. A ausência de atividade da telomerase compromete a manutenção do comprimento telomérico, impedindo divisões celulares. Esta enzima é, portanto, um alvo antiparasitário e compreender sua atuação nesses parasitas pode auxiliar futuras estratégias para a erradicação da leishmaniose. As diferentes formas de leishmaniose e o desenvolvimento da infecção são influenciados pela existência de um microambiente com baixos níveis de oxigênio, por outro lado concentrações elevadas de oxigênio provocam danos metabólicos irreversíveis, portanto os parasitas devem resistir às alterações desse microambiente de modo a completar seu ciclo. Este trabalho tem como principal objetivo analisar possíveis alterações na atividade da enzima telomerase em extratos protéicos obtidos de parasitas submetidos ao tratamento com peróxido de hidrogênio (H2O2).

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.