Busca avançada
Ano de início
Entree

Identificação de miRNAs envolvidos com a gênese do melanoma e a possível regulação epigenética de sua expressão

Processo: 10/18484-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2011
Vigência (Término): 31 de março de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Miriam Galvonas Jasiulionis
Beneficiário:Adriana Taveira da Cruz
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:06/61293-1 - Contribuição da metilação de DNA na carcinogênese, AP.JP
Bolsa(s) vinculada(s):11/22832-2 - MicroRNAs: seu papel na gênese e na progressão do melanoma humano, BE.EP.DR
Assunto(s):MicroRNAs   Melanoma   Epigênese genética   Metilação de DNA

Resumo

miRNAs correspondem a moléculas pequenas de RNAs que se associam a mRNAs alvo, promovendo sua desestabilização. Estima-se que mais de 30% de todos os mRNAs sejam regulados por miRNAs. Desta forma, os miRNAs constituem componentes essenciais no controle de diversos processos biológicos, tais como proliferação celular, apoptose e sobrevivência. O melanoma cutâneo é o tipo mais letal de câncer de pele e se desenvolve a partir da transformação maligna dos melanócitos, um processo que resulta de interações complexas entre fatores genéticos (mutações gênicas e anormalidades cromossômicas) e epigenéticos. Os mecanismos epigenéticos mais estudados em humanos são a metilação do DNA e modificações pós traducionais em histonas. Alterações nos mecanismos epigenéticos podem promover modificações no perfil de expressão de miRNAs contribuindo com a progressão tumoral. Além disso, estudos sugerem que os miRNAs apresentam papel crucial na transformação maligna das células. Em nosso laboratório foi desenvolvido um modelo murino de transformação maligna dos melanócitos, no qual linhagens celulares representando diferentes fenótipos associados ao melanoma foram estabelecidas após submeter uma linhagem de melanócitos imortalizada, porém não-tumorigênica, melan-a, a ciclos sequenciais de bloqueio de ancoragem por 96 horas. Durante meu trabalho de mestrado foram identificados miRNAs diferencialmente expressos ao longo da progressão tumoral, sugerindo sua importância no desenvolvimento do melanoma. Neste contexto, os objetivos principais do presente estudo são: 1) investigar a contribuição de mecanismos epigenéticos na modulação da expressão de miRNAs e 2) avaliar o impacto da expressão aberrante de miRNAs em processos biológicos associados à gênese e progressão do melanoma. Visando tornar esse estudo mais translacional, a expressão dos miRNAs também será avaliada em linhagens humanas de melanócitos primários e melanomas metastáticos. (AU)