Busca avançada
Ano de início
Entree

Neuroimunomodulação e o segundo cérebro: revelando as interações do sistema nervoso entérico com o sistema imune e as consequências dessa conversa

Processo: 11/01763-2
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 10 de julho de 2011
Vigência (Término): 09 de julho de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia
Pesquisador responsável:Frederico Azevedo da Costa Pinto
Beneficiário:Frederico Azevedo da Costa Pinto
Anfitrião: Daniel de Sousa Mucida
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Rockefeller University, Estados Unidos  
Vinculado ao auxílio:09/51886-3 - Neuroimunomodulação: fármacos, estresse e citocinas nas relações entre os sistemas nervoso, endócrino e imune, AP.TEM
Assunto(s):Sistema imune   Neuroimunomodulação   Receptores celulares   Sistema nervoso entérico   Neurotransmissores

Resumo

Repercussões da interação entre os sistemas nervoso (SN) e imune (SI) são o foco da neuroimunomodulação (NIM). O intestino, maior área do organismo exposta ao ambiente, congrega a maior concentração de linfócitos e anticorpos do corpo e possui o maior número de neurônios do organismo, fora do SN central. Evidências clínicas da importância da NIM no intestino são inúmeras, porém descrições consistentes sobre os receptores de neurotransmissores (NTs) e neuropeptídeos (NPs) presentes nos diversos fenótipos de células do SI no intestino ainda são escassas. Ainda mais raros são os relatos de quais NTs e NPs constituem o código químico dos neurônios que efetivamente apresentam intimidade com células do SI no intestino in vivo. Com a finalidade de estabelecer uma plataforma para avaliação compreensiva e específica da relevância das interações neuroimunes (NI) na manutenção do equilíbrio entre a necessária resposta protetora contra infecções iniciada no intestino e a prevenção de reações exageradas envolvidas em doenças inflamatórias crônicas, autoimunes e alérgicas, abordaremos os seguintes pontos no projeto ora proposto. 1) Caracterização da expressão de todos os receptores de NTs e NPs nos diversos fenótipos de células do SI no intestino por arranjo de PCR. 2) Caracterização das interações ex vivo e in vivo entre o SI e o SN entérico por meio de marcação fenotípica de células do SI e do código químico dos neurônios por microscopia confocal e de multifótons. A caracterização local e precisa das interações NI no intestino possibilitará a criação de knockouts condicionais de vias nervosas relevantes e a avaliação de seu papel na fisiologia do SI bem como em modelos de doenças como alergia alimentar, doença inflamatória intestinal e infecção experimental, já implantados no laboratório escolhido para o estágio. (AU)