Busca avançada
Ano de início
Entree

Expressão de células t regulatórias na resposta tecidual cutânea na paracoccidioidomicose

Processo: 10/18187-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2011
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Carla Pagliari
Beneficiário:Aline Alves de Lima Silva
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Paracoccidioidomicose   Linfócitos T reguladores   Citocinas

Resumo

A Paracoccidioidomicose (PCM) é uma importante micose sistêmica na América Latina causada pelo fungo Paracoccidioides brasiliensis (P. brasiliensis). É mais freqüente no Brasil, Argentina, Colômbia e Venezuela. A doença é caracterizada por 2 formas clínicas: a forma aguda ou tipo juvenil e a forma crônica. Esta última acomete adultos e as lesões iniciam-se nos pulmões e podem disseminar para outros órgãos, entre eles a pele. Uma falha na resposta imune específica mediada por células T na PCM pode permitir a multiplicação e disseminação do fungo, incluindo manifestações muco-cutâneas. As células T regulatórias (Treg) são importantes na indução e manutenção da tolerância imunológica e finalização de resposta imune. Uma deficiência ou disfunção dessas células pode levar ao agravamento da inflamação induzida por patógenos. A molécula CD25 é constitutivamente expressa por Treg, mas outras células T também a expressam. Dessa forma, a presença de CD25 unicamente, não é um indicador de células Treg e outros marcadores devem ser associados para a identificação de Treg in situ entre eles o marcador Foxp3, que é o mais específico. As células Treg, depois de ativadas, podem suprimir linfócitos T ou B, além de ter ação sobre a função de elementos do sistema imune inato, tais como macrófagos e células dendríticas. A expressão de TGF-beta, assim como IL10, parece ter atividade supressora sobre as células Treg. Na PCM estudo recente evidenciou expressão elevada de Foxp3 em células mononucleares do sangue periférico de pacientes com doença ativa, sendo menor em pacientes curados ou saudáveis. Havia ainda elevado número de células CD4+CD25+ na circulação desses pacientes. Essas características das células circulantes foram também evidenciadas nas lesões. Em estudos recentes verificou-se que células Treg estão elevadas no sangue e lesões orais de pacientes com PCM. Tais células acumulam-se em locais de infecção, limitando a resposta imune efetora e permitindo a permanência do fungo e indução da cronicidade. São poucos ainda os trabalhos que exploram a população de células Treg demonstrando-as em lesões na PCM humana. No presente projeto, pretendemos contribuir ao estudo da caracterização da resposta tecidual cutânea na PCM, abordando a participação de células Treg, através da imuno-marcação de FOXP3 e CD25. Pretendemos ainda detectar e quantificar a presença de células com expressão de TGF-beta e IL10. Serão estudadas 30 biópsias de pele selecionadas do arquivo do Laboratório de Dermatopatologia da Divisão de Clínica Dermatológica do HCFMUSP de doentes com diagnóstico clínico e anátomo-patológico de PCM. 10 fragmentos de pele normal constituirão o grupo controle. O estudo histopatológico das lesões será feito através da coloração de Hematoxilina-Eosina (HE) para observação de alterações epidérmicas e dérmicas. Para a detecção de células Treg FOXP3+, células CD25+, expressão de TGF-beta e IL10 será utilizado o método imuno-histoquímico de Estreptavidina-biotina peroxidase. Todas as reações serão acompanhadas de controles positivos aos antígenos estudados. Os protocolos de reação a serem empregados são os já padronizados no Laboratório da Disciplina de Patologia de Moléstias Transmissíveis da FMUSP, onde o trabalho será desenvolvido. Será feita também reação de dupla-marcação imunohistoquímica com utilização de sistemas diferentes de revelação (com o uso de peroxidase e fosfatase alcalina) para detecção de células que expressam ambos CD25 e Foxp3. Esperamos contribuir para a melhor compreensão dos fenômenos que mediam as diferenças na resposta imune local das lesões cutâneas na paracoccidioidomicose. A avaliação dos mecanismos imunopatológicos que ocorrem na pele pode representar um modelo para a compreensão dos mecanismos imunopatológicos do comprometimento pulmonar, uma vez que as lesões de pele têm valor diagnóstico e preditivo para a lesão pulmonar na Paracoccidioidomicose.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DE LIMA SILVA, ALINE ALVES; SOTTO, MIRIAN N.; SEIXAS DUARTE, MARIA IRMA; PAGLIARI, CARLA. Regulatory T cells in cutaneous lesions of patients with Paracoccidioidomycosis. Microbial Pathogenesis, v. 65, p. 36-40, DEC 2013. Citações Web of Science: 2.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.