Busca avançada
Ano de início
Entree

Estimativa do impacto da introdução do crack nas práticas de uso de drogas ilícitas na prevalência do HIV e no comportamento de risco relacionados à transmissão do HIV entre indivíduos acompanhados em instituições públicas de tratamento ao usuário de drogas na cidade de São Paulo

Processo: 99/05210-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de julho de 1999
Vigência (Término): 31 de dezembro de 1999
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Pesquisador responsável:Heraclito Barbosa de Carvalho
Beneficiário:Andreza Barone Finianos
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:98/11630-3 - Estimativa do impacto da introdução do crack nas práticas de uso de drogas ilícitas, na prevalência do HIV e no comportamento de risco relacionados à transmissão do HIV entre indivíduos acompanhados em instituições públicas, AP.R
Assunto(s):HIV   Cocaína crack   Comportamento de risco

Resumo

A partir dos anos 90 evidências apontam para um aumento do consumo de crack no país tanto através de fontes federais e estaduais, como em estudos de campo ou clínicas de tratamento. Através de relatos isolados de usuários de drogas injetáveis, existe um pressuposto que o uso da droga injetável esteja sendo substituído pelo uso do crack. Este estudo objetiva a repercussão da introdução do crack, nas práticas de uso de drogas e nos comportamentos de risco, relacionados à infecção pelo HIV, entre usuários de drogas ilícitas. Dentre as principais práticas do uso da droga, a sua administração via injetável, apresenta-se a priori como a mais importante a ser mensurada, visto sua relação direta com a infecção pelo HIV. Para este estudo será recrutada uma amostra de 350 usuários de drogas ilícitas que estejam matriculados em serviço público de tratamento a usuários de drogas ilícitas ou não, na cidade de São Paulo. Estes indivíduos serão entrevistados, através de um questionário padrão com o objetivo de avaliar seu comportamento sexual e uso de drogas, com questões específicas referentes ao uso do crack. Visamos também mensurar as prevalências do HIV, Hepatites B e C e Sífilis, nesta população específica. Por tratar-se de indivíduos com comportamento de risco para aquisição e transmissão destas infecções, a mensuração da prevalência, nos permite uma avaliação mesmo que sumária do risco de transmissão pessoal e da comunidade que estes indivíduos estão inseridos. Além disto através da aplicação de um modelo matemático de estrutura adaptada do clássico SIR (Suscetível - Infectado - Recuperado) estimar as consequências desta nova prática, na prevalência da infecção pelo HIV. (AU)