Busca avançada
Ano de início
Entree

PEPINOS dò mar Isostichopus badionotus E minhocas Eisenia foetida cómo bioindicadores dè contaminação pôr 14c-hexaclorobenzeno

Processo: 08/06167-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de agosto de 2008
Vigência (Término): 30 de setembro de 2008
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Mara Mercedes de Andrea
Beneficiário:Thaís Mitre Vampré
Instituição-sede: Instituto Biológico (IB). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:07/08012-7 - Pepinos do mar Isostichopus badionotus e minhocas Eisenia foetida como bioindicadores de contaminação por 14c-hexaclorobenzeno, AP.R
Assunto(s):Bioacumulação

Resumo

A poluição de diferentes ecossistemas é um problema de âmbito mundial, uma vez que diversos xenobióticos persistentes, como o hexaclorobenzeno (HCB), apesar de terem sua utilização banida, continuam a ser gerados como subprodutos de indústrias químicas ou utilizados na agricultura e, por isso, continuam a ser detectados mundialmente em vários compartimentos dos ecossistemas. Por meio de mecanismos de transporte físico ou químico, estes compostos podem atingir e contaminar diversos compartimentos do ambiente, como solos, sedimentos e águas, podendo causar efeitos nocivos para a biota local e para a cadeia alimentar dos ecossistemas. Para a previsão e verificação de alguns desses efeitos têm-se investigado a utilização de bioindicadores - organismos que estão nos níveis tróficos mais baixos de diferentes teias alimentares - para avaliação do perigo potencial da bioconcentração de poluentes nas diferentes teias alimentares. Estes bioindicadores podem atuar como espécies-sentinelas, isto é, como organismos capazes de bioacumular os xenobióticos presentes no meio e, desta forma, indicar a possibilidade de contaminação em toda a biota local. Para avaliar as possibilidades de contaminação de diferentes ambientes e nichos ecológicos por HCB por meio de organismos bioindicadores, este estudo analisará a bioacumulação e os efeitos do HCB em pepinos-do-mar (Holotúria Isostichopus badionotus) como organismo marinho e minhocas (Oligoqueta Eisenia foetida) como organismo terrestre, a partir de sedimento marinho e solo contaminados por tratamento com 14C-HCB. As determinações quantitativas de contaminação e bioacumulação, assim como das quantidades de 14C-HCB presentes no meio antes e após a presença dos organismos serão feitas por técnicas radiométricas e analíticas convencionais, para determinação da radioatividade, quantificação do HCB presente no sedimento, água, solo e organismos, e detecção de parâmetros biomarcadores dessa contaminação.