Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de polimorfismos de DNA e expressão gênica em pacientes com epilepsia do lobo temporal e transtornos psiquiátricos associados: busca de genes de suscetibilidade e resposta ao tratamento

Processo: 08/08749-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de outubro de 2008
Vigência (Término): 30 de abril de 2009
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Elida Paula Benquique Ojopi
Beneficiário:María Cecilia Bernard
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:07/05687-3 - Avaliação de polimorfismos de DNA e expressão gênica em pacientes com epilepsia do lobo temporal e transtornos psiquiátricos associados: busca de genes de suscetibilidade e resposta ao tratamento, AP.R
Assunto(s):Epilepsia   Farmacogenética   Expressão gênica   Epilepsia do lobo temporal

Resumo

A Epilepsia está entre as doenças mais comuns que afetam o sistema nervoso central, sendo, de acordo com dados da World Health Organization (WHO, 2006), a segunda causa de procura por centros neuropsiquiátricos depois da depressão, e segundo Scorza et al. (2007) e dados da Liga Internacional Contra a Epilepsia (ILAE, 2007), o distúrbio neurológico grave mais comum em todo o mundo com índice de suicídio elevado. Existem vários tipos de síndromes epilépticas. Uma das mais conhecidas e estudadas é a Epilepsia de Lobo Temporal, causada por Esclerose Mesial (EMT). Apesar disso, seus mecanismos etiopatogênicos ainda permanecem obscuros. As síndromes epilépticas são consideradas um fenômeno complexo, ou seja, são influenciadas pelo efeito na variação/alteração em muitos genes. Aqueles, provavelmente, contribuem com um pequeno ou modesto efeito e cada um e, individualmente, não é suficiente ou necessário para determinar o fenótipo da doença, que sofre, ainda, a influência dos fatores ambientais. Por esta razão, tais genes são chamados de "genes de suscetibilidade". Já foram descritos cerca de 150 estudos de associação em Epilepsia, entretanto, ainda permanecem a incerteza e as falhas nas replicações. Diante disso, o objetivo deste projeto é buscar genes possivelmente associados com a suscetibilidade ao desenvolvimento da EMT através da busca de polimorfismos novos em genes envolvidos nos principais eventos determinantes das epilepsias, como, por exemplo, os genes envolvidos na constituição e funcionalidade dos canais iônicos, plasticidade neuronal, neurogênese e migração neuronal. Posteriormente, esses genes serão avaliados também em pacientes com EMT e malformações cerebrais e em pacientes com EMT e transtornos psiquiátricos associados (psicose e transtorno de humor). Ainda serão investigados genes envolvidos no transporte e metabolismo de drogas em pacientes com EMT refratários ao tratamento medicamentoso e naqueles respondedores. Pretendemos também determinar o perfil de expressão gênica em larga escala em amostras cerebrais de pacientes com EMT submetidos à cirurgia para retirada da área epileptogênica. Através da caracterização molecular da EMT pretendemos contribuir para a melhor compreensão das vias complexas que caracterizam a hiper-excitabilidade neuronal, bem como para o desenvolvimento de novas estratégias de diagnóstico e tratamento.