Busca avançada
Ano de início
Entree

O impacto da violência no trabalho e na saúde mental de trabalhadores de um serviço de emergência hospitalar

Processo: 08/09048-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de outubro de 2008
Vigência (Término): 30 de abril de 2009
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Selma Lancman
Beneficiário:Luna Machado Widman
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:07/08502-4 - O impacto da violência no trabalho e na saúde mental de trabalhadores de um serviço de emergência hospitalar, AP.R
Assunto(s):Violência no trabalho   Saúde mental   Terapia ocupacional   Saúde do trabalhador

Resumo

RESUMONas últimas décadas a violência vem se configurando como uma das principais questões sociais. No Brasil, desde o final da década de 1980, a violência ocupa o segundo lugar nas causas gerais de morte e o primeiro nas causas de óbitos nas faixas etárias de 5 a 49 anos, o que a coloca como prioridade para Política de Saúde. O impacto da violência é notável nos serviços de emergência, responsáveis pelo atendimento imediato às vítimas e pela entrada dos sobreviventes no circuito do tratamento e reabilitação, o que os torna lócus privilegiado para o estudo desse fenômeno. Nesse cenário os trabalhadores de saúde estão entre os grupos sociais mais expostos à violência associada tanto a fatores externos, quanto internos ao trabalho. Além de testemunharem situações extremas de sofrimento das vítimas da violência, também são frequentemente vítimas de agressões físicas e psicológicas resultantes de comportamentos abusivos, intimidações, violência verbal, dentre outras. No geral, esses trabalhadores não dispõem de fatores de proteção propiciados pela estrutura organizacional dos serviços, o que os torna extremamente vulneráveis.Este estudo pretende compreender e analisar o impacto sobre o trabalho e a saúde mental resultantes do convívio intenso e contínuo com situações de violência entre os trabalhadores de um Pronto Socorro. Pretende ainda identificar os fatores de proteção e de risco presentes na organização do trabalho e as diferenças desse impacto nas várias categorias profissionais e entre os trabalhadores jovens e mais experientes. Interessa também apreender as estratégias psíquicas e o exercício da inteligência no trabalho desenvolvido pelos trabalhadores para enfrentarem as situações vivenciadas.Metodologia: Trata-se de um estudo exploratório que se configura como estudo de caso a ser desenvolvido no PS do Hospital das Clínicas FMUSP. Inscrito no campo da investigação qualitativa, utilizará estratégias mistas e procedimentos diversificados em sua execução, coleta e análise, a fim de responder adequadamente aos seus objetivos. Os procedimentos quali e quantitativos acontecerão simultaneamente. Dentre eles teremos a aplicação de questionários, realização de entrevista, observação participante e elaboração de caderno de campo e pesquisa documental. A estratégia de triangulação de métodos será central na coleta e análise dos dados. Para o processo de observação participante, desenvolvida em uma "semana típica", espera-se conhecer os aspectos relacionados a dinâmica da rotina do serviço, as formas de interação entre os atores institucionais e o impacto das reações emocionais. Para a realização das entrevistas semi-estruturadas serão convidados representantes das várias categorias profissionais, em cada um dos turnos de trabalho. As entrevistas serão analisadas pela técnica de Análise de Conteúdo. O terceiro procedimento inclui a aplicação de dois instrumentos quantitativos, auto-aplicáveis, propostos para a totalidade dos trabalhadores, sem critério de exclusão. O primeiro instrumento foi elaborado visando verificar aspectos relacionados ao trabalho e à caracterização pessoal e profissional do trabalhador. O segundo, o Self Report Questionnaire, visa a identificação de distúrbios psico-emocionais e foi escolhido por ser largamente utilizado na área de trabalho e saúde mental, validado para o português e com aceitável desempenho em termos de sensibilidade e especificidade. As informações obtidas com os instrumentos serão analisadas de forma a descrever a população de trabalhadores estudada através do cálculo de medidas de tendência central (média aritmética e/ou mediana) e de dispersão (desvio padrão) para as variáveis contínuas e de freqüências para as variáveis categóricas. O projeto terá duração de 1 ano e espera contribuir com a produção de conhecimento sobre o fenômeno mais geral da violência e gerar resultados que tragam contribuições para os trabalhadores e a organização envolvida no estudo e outras semelhantes.