Busca avançada
Ano de início
Entree

Geração e caracterização de camundongos deficientes para os genes da leptina e receptores de cininas

Processo: 08/09962-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de novembro de 2008
Vigência (Término): 31 de maio de 2009
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Molecular
Pesquisador responsável:Ronaldo de Carvalho Araújo
Beneficiário:Fernanda Jaqueline Vergara Possas Russo
Instituição-sede: Departamento de Biofísica. Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:06/59081-6 - Geracao e caracterizacao de camundongos deficientes para os genes da leptina e receptores de cininas., AP.R
Assunto(s):Exercício físico   Obesidade   Cininas

Resumo

O sistema calicreína-cininas (SCC) está envolvido em muitos processos biológicos, dentre os quais a resposta inflamatória, nocicepção, controle da pressão arterial, transporte de eletrólitos, proliferação celular, atuando também no trato gastrintestinal. Além disso, está relacionado direta ou indiretamente na captação de glicose por células musculares e adipócitos através da translocação do principal carreador de glicose nessas células (GLUT4) para sua membrana citoplasmática. Recentemente nós mostramos que a deficiência do receptor B1 de cininas induziu anormalidades na homeostase de glicose e que o nocaute para o receptor B1 de cinina é resistentes à obesidade induzida por dieta hiperlipídica com menor produção de leptina. Resultados do nosso grupo mostram que os animais deficientes para o receptor B2 de cininas também são resistentes a dieta hiperlipídica, com a utilização preferencial de gorduras, observado através do quociente respiratório. Os animais ob/ob e deficientes para os receptores B1 e B2 de cininas gerados pelo nosso grupo apresentam uma acentuada hiperglicemia dependente da idade. As avaliações histológicas preliminares sugerem um aumento da resistência periférica à insulina e/ou incapacidade de hipertrofia das ilhotas pancreáticas. Entretanto não sabemos qual será a resposta glicêmica após um stress físico advindo da prática de natação. Assim o objetivo desse projeto é avaliar a homeostase glicêmica, hipertrofia cardíaca e muscular após a natação. (AU)