Busca avançada
Ano de início
Entree

Processamento, análise, clonagem e expressão das proteínas de Escherichia coli enteropatogênica atípica

Processo: 09/05155-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de abril de 2009
Vigência (Término): 30 de novembro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Roxane Maria Fontes Piazza
Beneficiário:Natália Cristina de Freitas
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:06/07145-0 - Análise proteômica de adesinas de Escherichia coli enteropatogênica atípica, AP.R
Assunto(s):Escherichia coli enteropatogênica   Proteômica   Análise de sequência de DNA   Clonagem   Adesinas de Escherichia coli

Resumo

Cepas de Escherichia coli enteropatogênica (EPEC) estão entre os patógenos mais frequentemente envolvidos em casos de diarreia, principalmente em crianças. Podem ser classificadas em EPEC típicas e atípicas, sendo que as típicas possuem o gene eae (EPEC attaching and effacing) e o plasmídeo EAF (EPEC adherence factor), e as atípicas possuem o gene eae, mas não são portadoras do plasmídeo EAF. A principal característica de sua patogênese é a formação de uma lesão histopatológica no epitélio intestinal denominada attaching and effacing (A/E), que resulta da adesão íntima da bactéria ao enterócito. A adesão das EPEC típicas a células epiteliais é denominada adesão localizada (LA) e ocorre em dois estágios: inicialmente, a bactéria adere-se de maneira frouxa formando microcolônias e, em seguida, ocorre a adesão íntima mediada pela adesina intimina. As EPEC atípicas podem aderir ou não a células epiteliais in vitro. As aderentes expressam predominantemente o padrão de adesão localizada-like (ALL), no qual não se observa a formação das microcolônias e que ocorre tardiamente em relação à LA. Estudos recentes realizados em nosso laboratório confirmam dados já existentes de que algumas amostras de EPEC atípica podem apresentar os padrões agregativo (AA) e difuso (DA). A adesão de EPEC ao epitélio intestinal é mediada por adesinas, que podem ser fimbriais ou afimbriais. Várias adesinas já foram identificadas e estão bem caracterizadas como fatores de adesão nos diferentes patotipos de E. coli diarreiogênica. Como as EPEC atípicas podem apresentar diferentes fenótipos de adesão (LAL, AA, DA e NA) a comparação do perfil de expressão de adesinas por amostras dos quatro fenótipos, através de análise proteômica, será de extrema importância para a compreensão de sua patogênese. (AU)