Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo dos eglídeos (Crustacea: Decapoda: Anomura: Aeglidae) do estado de São Paulo

Processo: 09/08298-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de junho de 2009
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Morfologia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:Sérgio Luiz de Siqueira Bueno
Beneficiário:Felipe Pereira de Almeida Cohen
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:08/57128-0 - Estudo dos eglideos (crustacea: decapoda: anomura: aeglidae) do estado de sao paulo. projeto 1: levantamento e taxonomia das especies de aegla na area carstica do alto ribeira, sul do estado de sao paulo. .., AP.R
Assunto(s):Maturidade sexual   Crescimento animal   Zoologia (classificação)

Resumo

Projeto 1. Considerando o alto endemismo apresentado por várias espécies troglóbias e troglófilas de eglídeos e o fato de que muitas áreas da região cárstica do Alto Ribeira permanecem ainda inexploradas do ponto de vista do levantamento da fauna de invertebrados de riachos de cavernas, é possível inferir que há um elevado potencial para a descoberta de novas espécies de Aegla na região. A presente proposta visa contribuir para o conhecimento das espécies de Aegla com ocorrência nos meios hipógeo e epígeo na área cárstica do Alto Ribeira, SP, através de levantamentos baseados em coletas em diferentes micro-bacias por um período de dois anos, com ênfase nas áreas pouco ou nada investigadas. O trabalho também prevê a descrição de duas espécies novas já amostradas recentemente na região, além de outras espécies novas que venham a ser amostradas. Exemplares coletados de espécies conhecidas e das espécies novas (holótipo e série de parátipos) serão depositados na coleção carcinológica do Museu de Zoologia da USP. Projeto 2. A população de Aegla perobae, encontrada em um córrego na área denominada Gruta da Peroba, município de São Pedro, será amostrada mensalmente com o auxílio de armadilhas semelhantes a covos, durante um período de 18 meses. As análises de crescimento relativo serão efetuadas com base nas medidas do comprimento da carapaça (variável independente) e do comprimento e altura do própodo das quelas maior e menor do primeiro par de pereópode (variáveis dependentes). O tamanho médio da maturidade morfométrica será calculado mediante interpolação da função logística dos dados distribuídos por classe de comprimento da carapaça, visando determinação do tamanho médio em que 50% dos indivíduos da população são caracterizados como adultos. Este mesmo procedimento também será aplicado para o cálculo do tamanho médio da maturidade funcional para cada sexo. O tamanho da população será estimado a cada 3 meses, coincidindo com cada estação do ano, durante um período de 01 (um) ano (total 4 estimativas), Cada estimativa será conduzida por um período de 7 dias consecutivos no campo. O cálculo destas estimativas será feito de acordo com o método de Schumacher-Eschmeyer para populações fechadas e envolverá múltiplos eventos de marcação e recaptura de indivíduos da população. Tentativas de localização de outras populações de Aegla perobae serão feitas mediante inspeção de outros córregos no município de São Pedro e outros municípios adjacentes que contribuam para a composição do sistema hidrográfico na região. As informações que serão obtidas deste levantamento (área de ocorrência e distribuição geográfica) e os resultados de estimativa do tamanho da população serão considerados na avaliação do grau de extinção de Aegla perobae, de acordo com os critérios sugeridos pela IUCN. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)