Busca avançada
Ano de início
Entree

Instrumentação para o diagnóstico do transtorno fonológico

Processo: 05/04095-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de maio de 2006
Vigência (Término): 30 de abril de 2007
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fonoaudiologia
Pesquisador responsável:Haydée Fiszbein Wertzner
Beneficiário:Anne Caroline de Oliveira Ramos
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:05/50465-3 - Instrumentação para o diagnóstico do transtorno fonológico, AP.R
Assunto(s):Avaliação fonoaudiológica   Técnicas e procedimentos diagnósticos   Eletroglotografia   Palatografia

Resumo

Este estudo tem por objetivo identificar os processos subjacentes e os marcadores da fala dos subtipos do transtorno fonológico em crianças falantes do Português Brasileiro. Os sujeitos serão classificados de acordo com a proposta de Shriberg (2004) em cinco subtipos (Genético, Otite média com efusão, Envolvimento motor da fala, Envolvimento psicossocial, Erros de fala). Farão parte da pesquisa 80 crianças entre 4;00 e 12;00 anos. Para compor o grupo com transtorno fonológico (GTF) serão selecionadas 50 crianças com transtorno fonológico, que procurarem o Laboratório de Investigação Fonoaudiológica em Fonologia (LIF Fonologia) do Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional da FMUSP. O critério de inclusão das crianças será: idade entre 4 e 12 anos; apresentar alterações fonológicas nos testes realizados; ter desempenho adequado para a idade nos outros campos da linguagem; ter como língua materna o Português, assim como seus pais. O grupo controle (GC) será formado por 30 crianças entre 4 e 12 anos que serão selecionadas de escolas da cidade de São Paulo. Para serem incluídas na pesquisa não devem ter queixas de alterações de linguagem e fala bem como ter desempenho adequado no Teste de Linguagem Infantil ABFW, Teste de Linguagem TOLD adaptado ao Português Brasileiro, avaliação mio funcional oral e avaliação audiológica. Para ser incluída na pesquisa, a criança será submetida aos testes de diagnóstico compostos de: Teste de Linguagem Infantil ABFW (Andrade et al, 2004), Teste de Linguagem TOLD-P3 adaptado ao Português (Broggio, 2004), Avaliação do Sistema Mio funcional Oral e Audiológica. Para o estudo serão utilizados os seguintes protocolos: anamnese, entrevista detalhada para a confecção do heredrograma; provas de fonologia do teste ABFW. Serão aplicados os testes: Estimulabilidade de Fala para os sons líquidos (Castro, 2004), diadococinético, processamento fonológico - Teste de Sensibilidade Fonológica visual e auditivo (Herrero, 2001); Teste de segmentação fonêmica e em letras, teste de nomeação rápida adaptado e Teste LAC adaptado (Rosal, 2002). Esses testes serão filmados em uma filmadora digital e gravados no notebook. Além desses protocolos serão utilizados o Computadorized Speech Lab 4300 associado a Eletroglotografia. Esse equipamento permite a realização da análise acústica de Fo, intensidade, jitter, shimmer e eletroglotografia. Para palatografia e linguografia, serão utilizados câmera digital fotográfica e filmadora, azeite de oliva, carvão digestivo pulverizado, pincel, espelho e folha de papel de vegetal quadriculado. Estes testes serão utilizados nos casos em que ocorrerem distorções dos sons fricativos e líquidos, tanto nos sujeitos do GTF como nos do GC. Para todos os sujeitos do GC e GTF o procedimento de aplicação dos testes será o mesmo. A partir dos dados da entrevista e do heredograma, os sujeitos do GTF serão agrupados de acordo com a presença de histórico de otite, histórico de alterações de fala e linguagem na família, problemas escolares. Em seguida serão analisados os resultados dos testes para cada grupo bem como dos índices de gravidade e inteligibilidade de fala. Serão feitas comparações entre os subgrupos do GTF e o GC.ATIVIDADES DO BOLSISTA NA PESQUISA EM ANDAMENTOA bolsista participará da coleta de dados de parte dos sujeitos tanto do GTF como do GC. Após o processo de avaliação para inclusão dos sujeitos nos grupos serão analisados os dados da anamnese, entrevista detalhada para a confecção do heredrograma; provas de fonologia do teste ABFW. Serão aplicados os testes: Estimulabilidade de Fala para os sons líquidos (Castro, 2004), diadococinético e velocidade de fala. Também será realizada a palatografia e linguografia tanto nos sujeitos do GTF como no GC. Além desses protocolos serão utilizados o Computadorized Speech Lab 4300 ao qual está acoplada a Eletroglotografia. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
HAYDÉE FISZBEIN WERTZNER; RENATA RAMOS ALVES; ANNE CAROLINE DE OLIVEIRA RAMOS. Análise do desenvolvimento das habilidades diadococinéticas orais em crianças normais e com transtorno fonológico. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, v. 13, n. 2, p. 136-142, Jun. 2008.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.