Busca avançada
Ano de início
Entree

Projeto: rede safe-blood: rede segura de distribuição de bolsas de sangue com rastreabilidade baseada em etiquetas inteligentes de RFID EPC

Processo: 10/13052-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de outubro de 2010
Vigência (Término): 31 de maio de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Pesquisador responsável:Fredy Joao Valente
Beneficiário:Luiz Henrique Kiehn
Empresa:Coss Soluções e Tecnologia Ltda
Vinculado ao auxílio:08/53489-9 - Rede safe-blood: rede segura de movimentação de bolsas de sangue com rastreabilidade baseada em etiquetas inteligentes de RFID EPC, AP.PIPE
Assunto(s):Informática médica

Resumo

A hemoterapia, tanto no Brasil quanto no mundo, tem se caracterizado pelo desenvolvimento e adoção de novas tecnologias objetivando minimizar os riscos transfusionais, especialmente quanto a prevenção da disseminação de agentes infecto-contagiosos.Essas tecnologias aplicadas à logística do processo de coleta de sangue, passando pela triagem, transfusão e sua posterior utilização do sangue por um paciente, objetivam minimizar os riscos de contaminação. O grande volume de bolsas de sangue processadas no Brasil demanda leitura de cada bolsa através do escaneamento individual, que não permite processamento rápido, ao mesmo tempo que aumenta a possibilidade de erros na leitura. Além disto não existe uma rede de rastreabilidade que permita a manutenção do histórico de cada bolsa de sangue depois que ela é enviada para utilização em um paciente, o que pode gerar ocorrências de problemas. A Rede SafeBlood proposta neste projeto, se baseia na inserção de uma etiqueta inteligente no processo de manipulação de sangue, permitindo identificação individualizada de cada bolsa de sangue com a escrita de dados do produto no microchip da etiqueta. A etiqueta eletrônica permitirá não só a leitura automatizada de cada bolsa minimizando chances de erros, bem como permitirá a leitura de várias bolsas simultâneamente, aumentando a eficiência do processo. Na Rede SAFEBLOOD cada bolsa de sangue receberá uma etiqueta inteligente (tag composto por uma antena e um chip de identificação por rádio frequência - RFID) com um código EPC (electronic product code) único, possibilitando que esses itens sejam rastreados de forma individualizada através de toda a cadeia de sangue.A utilização da tecnologia EPC para implementação de sistema de identificação e rastreabilidade de sangue promoverá importantes benefícios tais como, melhor rastreabilidade de produtos em trânsito na cadeia, garantia de manutenção do histórico do produto, melhor controle de inventário de estoque de sangue, acuracidade no uso de sangue através da identificação do paciente por meio de etiqueta inteligente e da amarração lógica do paciente e bolsa de sangue, o que impedirá a transfusão de forma errônea, entre outros.Neste projeto, iremos desenvolver uma rede de rastreabilidade de sangue (REDE SAFEBLOOD), de que proporcionará a garantia de segurança do produto e rastreabilidade de sangue na cadeia coleta, processamento e distribuição de sangue e hemoderivados. A REDE SAFEBLOOD será desenvolvida baseada na plataforma WelCOSS-RFID (desenvolvida no projeto PIPE 2006/52010-6) Com base nos processos atuais da Fundação Pró Sangue, os processos serão re-desenhados para permitir a inserção da tecnologia RFID e será criada a A REDE SAFEBLOOD, que envolverá o desenvolvimento de uma base de dados de rastreabilidade de sangue, que poderá ser extendida para atendimento nacional, e o desenvolvimento de aplicativos específicos para operação da Rede SafeBlood em cima da plataforma WelCOSS-RFID. Além disto serão desenvolvidos processos de controle de identificação e atendimento de pacientes utilizando a mesma plataforma da REDE SAFEBLOOD. Adicionalmente, serão desenvolvidos processos de melhoria de atendimento de pacientes na rede pública de saúde com base na REDE SAFEBLOOD, que permitirá também a sua expansão para controle e rastreabilidade aplicável a outras áreas hospitalares como rastreio de remédios, receitas médicas, equipamentos, rouparia, tubos de testes, etc.