Busca avançada
Ano de início
Entree

AVALIAÇÃO in vitro DO POTENCIAL CITOTÓXICO E GENOTÓXICO DE ALCALÓIDES PURIFICADOS DE Tabernaemontana catharinensis

Processo: 10/15785-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de outubro de 2010
Vigência (Término): 30 de junho de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Mutagênese
Pesquisador responsável:Ana Lucia Fachin Saltoratto
Beneficiário:Bruna Cestari de Azevedo
Instituição-sede: Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP). Campus Ribeirão Preto. Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/06245-7 - AVALIAÇÃO in vitro DO POTENCIAL CITOTÓXICO E GENOTÓXICO DE ALCALÓIDES PURIFICADOS DE Tabernaemontana catharinensis, AP.R
Assunto(s):Alcaloides   Antineoplásicos   Ensaio cometa   Produtos naturais   Citotoxicidade   Genotoxicidade

Resumo

O câncer é uma doença caracterizada pela multiplicação e propagação descontrolada de formas anormais das próprias células corporais. Essa neoplasia maligna distingue-se dos tumores benignos pelas suas propriedades de desdiferenciação; poder de invasão e capacidade de metastizar. Também células normais podem se transformar em cancerosas por alteração de seu DNA, com a participação de vírus, substâncias químicas do ambiente ou da alimentação e agentes físicos como certos tipos de radiação. Tem sido observado um aumento quase exponencial da mortalidade devido aos casos de câncer, aumentando também a procura de novos medicamentos, principalmente os de origem natural, que combatam os vários tipos dessa doença. Tabernaemontana catharinensis é uma planta medicinal que apresenta como principal metabólito secundário os alcalóides, que possuem expressiva atividade antitumoral. Sabendo-se da importância de células de mamíferos em cultura para avaliar a citotoxicidade de novas substâncias com ação terapêutica, o presente trabalho tem com objetivo comprovar o potencial citotóxico e genotóxico dos alcalóides 12-metoxi-4-metilvoachalotina (MMV), coronaridina e de uma fração rica em alcalóides indólicos (EB2) isolados a partir das cascas de raízes de T. catharinensis frente às linhagens tumorais MCF-7 (carcinoma de mama), Hella (carcinoma de útero), B-16 (melanoma murino) e células 3T3 normais. A citotoxicidade dos alcalóides será avaliada pelo teste MTT, viabilidade celular por exclusão do azul de tripan e avaliação de dano na membrana pelo teste de Lactato dehidrogenase. A genotoxicidade será analisada pelo teste do cometa e o a indução de apoptose será avaliada por kits comerciais.