Busca avançada
Ano de início
Entree

Morfologia e relações filogenéticas de Marasmius (Marasmiaceae) de áreas de Mata Atlântica do estado de São Paulo, Brasil

Processo: 11/02269-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de junho de 2011
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica
Pesquisador responsável:Marina Capelari
Beneficiário:Jadson José Souza de Oliveira
Instituição-sede: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):12/21793-6 - Filogenia de Marasmius: um aprimoramento das análises com o uso de quatro regiões do DNA nuclear, BE.EP.DD
Assunto(s):Marasmius   Filogenia   Mata Atlântica   Botânica (classificação)

Resumo

O gênero Marasmius Fr. é um grupo muito diversificado, com cerca de 1.900 epítetos no Index Fungorum, e espécies que eram distribuídas em 12 seções. Embora muitos taxonomistas ainda o considerem dentro de Tricholomataceae Roze, Marasmius está incluída na família Marasmiaceae Roze ex Kühner. A taxonomia tradicional permite diferenciar Marasmius de gêneros próximos como Collybia, Marasmiellus, Micromphale, Crinipellis, Chaetocalathus, entre outros. Porém, através de muitas discordâncias filogenéticas, Marasmius sensu lato foi considerado um grupo polifilético por evidências advindas de dados moleculares, segregando o grupo e introduzindo a concepção de Marasmius sensu stricto. Predomina em ambientes florestais úmidos e sombreados, sendo saprófitos com raríssimas exceções. Trabalhos taxonômicos significativos já foram feitos com Marasmius no Brasil, principalmente por Rolf Singer no século passado e recentemente, novos registros e descrições de espécies novas, têm sido feitos, aumentando o conhecimento da biodiversidade dos domínios naturais brasileiros. A Mata Atlântica é significativamente rica em espécies, e mesmo com apenas 7% de sua área original, possui grande diversidade biológica e alto índice de endemismo, sendo considerada área de "hotspots". O levantamento de espécies de uma área é fundamental para sua preservação, fornecendo dados de riqueza. Desta forma, o estudo morfológico para a sistemática tradicional e o uso de análises moleculares para embasamento das relações filogenéticas são fundamentais para a amostragem de riqueza de espécies e elucidação de questões referentes às relações entre as espécies do gênero. O objetivo é tornar conhecida a diversidade de espécies do gênero Marasmius de áreas conservadas de Mata Atlântica do estado de São Paulo, através de análises morfológica e molecular, contribuindo juntos para a sistemática e as relações filogenéticas do gênero, com o conhecimento de sua diversidade na área de estudo, como a inclusão de materiais no Herbário do Instituto de Botânica (SP). As áreas amostradas serão a Reserva Biológica de Paranapiacaba, o Parque Estadual da Cantareira e do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, além de outras áreas de conservação de Mata Atlântica do estado que poderão ser eventualmente amostradas. O trabalho será feito com coletas mensais ou quinzenais por um período de 12 meses e também com materiais já coletados em excursões iniciadas em setembro de 2009. Descrição macro e microscópica dos basidiomas serão feitas para determinação dos táxons utilizando chaves de identificação. Também serão obtidos isolados em meio de cultura de batata dextrose ágar (BDA), com porções retiradas dos basidiomas. Com o estabelecimento das culturas, será obtida biomassa em meio líquido (batata + dextrose), com posterior liofilização para uso na extração de DNA e também porções liofilizadas dos basidiomas. A análise molecular será realizada a partir das sequências obtidas após extração do DNA, amplificação e purificação dos genes de interesse no laboratório de Micologia Aplicada do Instituto de Botânica, e sequenciamento no Genoma/USP. Para isso, serão adotados os protocolos adaptados para fungos, "primers" já testados em estudos anteriores para amplificação dos genes. As sequências serão editadas no BioEdit 7.0.5.3 e alinhadas no Clustal W. As análises filogenéticas serão realizadas, com as sequências obtidas e as depositadas no GenBank, no programa PAUP*4.0b10, utilizando como grupo externo espécies de Crinipellis, grupo irmão de Marasmius em estudos anteriores, e de Gloiocephala indicado como grupo irmão de Marasmius seção Epiphylli. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas (5)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
OLIVEIRA, J. J. S.; MONCALVO, J. -M.; MARGARITESCU, S.; CAPELARI, M. A morphological and phylogenetic evaluation of Marasmius sect. Globulares (Globulares-Sicci complex) with nine new taxa from the Neotropical Atlantic Forest. PERSOONIA, v. 44, p. 240-277, JUL 2020. Citações Web of Science: 1.
DE OLIVEIRA, JADSON J. S.; MONCALVO, JEAN-MARC; MARGARITESCU, SIMONA; CAPELARI, MARINA. Phylogenetic and morphological analyses of species of Marasmius sect. Marasmius from the Atlantic Rainforest, Brazil. PLANT SYSTEMATICS AND EVOLUTION, v. 306, n. 2 MAR 2 2020. Citações Web of Science: 0.
DE OLIVEIRA, JADSON JOSE SOUZA; CAPELARI, MARINA. Three new species of Marasmius from remnants of the Atlantic Rainforest, Sao Paulo, Brazil. CRYPTOGAMIE MYCOLOGIE, v. 37, n. 1, p. 61-73, MAR 2016. Citações Web of Science: 0.
SOUZA DE OLIVEIRA, JADSON JOSE; SANCHEZ-RAMIREZ, SANTIAGO; CAPELARI, MARINA. Some new species and new varieties of Marasmius (Marasmiaceae, Basidiomycota) from Atlantic Rainforest areas of So Paulo State, Brazil. MYCOLOGICAL PROGRESS, v. 13, n. 3, p. 923-949, AUG 2014. Citações Web of Science: 0.
SOUZA DE OLIVEIRA, JADSON JOSE; CAPELARI, MARINA. Two new species of Marasmius section Neosessiles (Marasmiaceae) from an Atlantic rain forest area of Sao Paulo State, Brazil. NOVA HEDWIGIA, v. 95, n. 1-2, p. 203-210, 2012. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.