Busca avançada
Ano de início
Entree

O hábito no behaviorismo de Watson: um estudo histórico das explicações para a formação de hábito antes e depois da incorporação dos reflexos condicionados à teoria

Processo: 11/02696-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2011
Vigência (Término): 30 de abril de 2012
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Experimental
Pesquisador responsável:Maria Helena Leite Hunziker
Beneficiário:Mariana Zago Castelli
Instituição-sede: Instituto de Psicologia (IP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Behaviorismo   História da psicologia

Resumo

O termo hábito, apesar de atualmente pouco conhecido em seu emprego técnico na psicologia, foi correntemente utilizado na psicologia experimental do final do século XIX e início do século XX. Entre os importantes e influentes autores que se debruçaram sobre este tema, encontra-se John Broadus Watson, primeiro expoente da abordagem behaviorista desde a publicação do chamado manifesto behaviorista (Watson, 1913). O hábito - que pode ser designado numa formulação genérica como uma combinação ordenada e integrada de respostas que se tornou a reação padrão de um organismo frente a um estímulo - foi concebido no modelo explicativo de Watson (1930) como um resultado da movimentação do organismo que resulta em adaptação em situações para as quais ele não tem em seu repertório inato uma resposta reflexa única que permita essa adaptação. A formação de hábito é, para Watson (1930), o processo através do qual são originadas novas respostas, concebidas sempre como uma combinação de respostas já presentes no repertório do organismo. Pode-se deduzir daí a importância que o processo de formação de hábito (e a consistência de suas explicações) tem para o projeto de psicologia de Watson: dele depende a possibilidade de extensão da abordagem behaviorista aos comportamentos complexos, tidos como tipicamente humanos. No entanto, o principal aspecto da formação de hábito para este projeto de psicologia, a integração de respostas na construção de uma nova resposta, não foi abordado por Watson até a incorporação do conceito de reflexo condicionado à sua teoria. O presente trabalho, concebido na perspectiva de uma pesquisa histórica, pretende aprofundar a compreensão da formação de hábito em Watson, voltando a atenção para: (1) o momento e a forma como o reflexo condicionado foi incorporado; (2) como era o behaviorismo de Watson, e sua abordagem do hábito, antes dessa incorporação; (3) se os fatores de recência e frequência foram mantidos ou descartados como explicações para a formação de hábito a partir do momento da incorporação do reflexo condicionado.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)