Busca avançada
Ano de início
Entree

Estéreos pessoais: ocorrências de alterações auditivas em jovens

Processo: 10/17573-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2011
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fonoaudiologia
Pesquisador responsável:Katia de Almeida
Beneficiário:Bianca Perri Orlandini
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP). Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Audiologia   Audição

Resumo

a) Antecedentes científicos: É comprovado que a exposição ao ruído intenso pode causar deficiência auditiva, hiperacusia e zumbido. Atualmente, os tocadores de músicas portáteis, são regularmente utilizados por várias pessoas, em especial por adolescentes e adultos jovens, e muitas vezes em ambientes ruidosos, como trens ou ônibus. Em tais ambientes, muitos usuários tendem a aumentar o volume para superar o ruído intenso ao redor (Okamoto et al, 2011). Segundo Olsen-Widén e Erlandsson (2004) o tempo que os jovens ficam expostos ao ruído como forma de lazer, pode ser uma das razões para o desenvolvimento da perda de audição e que os efeitos dessa exposição a níveis sonoros elevados podem manifestar-se apenas tardiamente.b) Objetivos: O objetivo do presente estudo é investigar a audição de jovens usuários de estéreos pessoais por meio de Audiometria Tonal Liminar e das Emissões Otoacústicas evocadas por estímulo transiente e Produto de Distorção.c) Casuística (Material) e métodos: Neste estudo serão avaliados jovens, de ambos os sexos. Os indivíduos deverão ter idade entre 14 e 18 anos, fazer uso de estéreos pessoais com fones de ouvido, independente do tempo e ter a devida autorização dos pais e/ou responsáveis. Os mesmos deverão estar em repouso acústico de no mínimo 14 horas para realização dos exames. Serão excluídos os sujeitos com qualquer alteração inicial na timpanometria. Isso porque esse tipo de ocorrência pode gerar alterações na audiometria e na pesquisa das EOA, não relacionadas ao estudo. Indivíduos que relatem otites de repetição na infância, ou qualquer outra alteração auditiva não relacionada com o uso de estéreos pessoais, também serão excluídos. Uma vez aprovados nos critérios iniciais de seleção, isto é, anamnese e medidas de imitância acústica, os sujeitos serão submetidos à realização da audiometria tonal e vocal e à pesquisa das emissões otoacústicas.d) Resultados esperados: A hipótese do presente estudo será que os jovens, usuários de estéreos pessoais como forma de lazer, não apresentem alterações nos exames de audiometria tonal, vocal e emissões otoacústicas evocadas por estímulo transiente e produto de distorção. No entanto como apresentado no referencial teórico anteriormente, diversos estudos atuais que pesquisaram os hábitos sonoros e a audição dos jovens, encontraram resultados fora dos padrões de normalidade nos procedimentos aplicados, principalmente no exame de emissões otoacústicas.