Busca avançada
Ano de início
Entree

Ação da proteína amiloide sérica A Èm melanomas

Processo: 11/07959-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2011
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Ana Campa
Beneficiário:Luziane Potrich Bellé
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Melanoma   Pele artificial

Resumo

A amilóide sérica A (SAA) é uma proteína de fase aguda e importante mediadora da resposta inflamatória. Na resposta de fase aguda ela é produzida em altas concentrações e em doenças inflamatórias crônicas há um acréscimo constante e tênue de sua concentração plasmática. Além disso, foi mostrado que células tumorais produzem SAA e que há uma correlação positiva entre a proteína e malignidade. Recentemente, nosso grupo verificou que a SAA estimula a proliferação de duas linhagens celulares de glioma humano. Em relação à migração e invasão foi observado que em uma delas há um aumento na migração e quimiotaxia, enquanto que para a outra houve uma inibição. Dada a importância que os fenômenos de proliferação, quimiotaxia e migração tem para o desenvolvimento de metástases de tumores, há a necessidade de se reconhecer padrões mais freqüentes de ação da SAA sobre células tumorais. Para isto, avaliaremos a ação de SAA sobre a proliferação, migração e invasão em linhagens de melanoma. Adicionalmente, estabelecemos uma colaboração com o Prof. Gilles Landman (UNIFESP), na qual avaliaremos a expressão gênica e imunohistoquímica de SAA em culturas primárias de melanomas obtidas a partir de amostras clínicas de biópsias de melanoma, para posterior correlação com a malignidade do tumor. Como a organização tridimensional (3D) é essencial na avaliação do crescimento de tumores, também utilizaremos, em colaboração com a Profa. Silvya Engler (FCF-USP), um modelo de pele artificial 3D onde observaremos o crescimento do melanoma e o comportamento de proteínas presente na matriz extracelular, em presença e ausência de SAA. Com este estudo, será demonstrado a ação direta da SAA sobre as células de melanoma e o efeito da SAA no local de desenvolvimento do tumor. Em conjunto com os resultados já obtidos, pretendemos reconhecer um padrão, ou a ausência deste, para a ação de SAA sobre tumores.