Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência dos receptores toll like 2 e 4 na reatividade glial e plasticidade sináptica de motoneuônios medulares após axotomia periférica

Processo: 11/11477-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de agosto de 2011
Vigência (Término): 31 de outubro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Alexandre Leite Rodrigues de Oliveira
Beneficiário:Gleidy Ana Araujo Silva
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/17688-7 - Influência dos receptores Toll like 2 e 4 na reatividade glial e plasticidade sináptica de motoneurônios medulares após axotomia periférica, AP.R
Assunto(s):Regeneração nervosa   Astrócitos

Resumo

As células da glia são responsáveis por intermediar a interação entre o Sistema Nervoso (SN) e o Sistema Imune (SI). Além disso, recentes estudos têm demonstrado que estas células expressam receptores Toll Like (TLRs) que podem interferir no processo de plasticidade do SNC. Desse modo, este estudo tem o objetivo de analisar a influência dos receptores Toll like 2 e 4 na reatividade glial e na dinâmica das sinapses em aposição a motoneurônios medulares de camundongos após lesão nervosa periférica. Para o presente estudo, serão utilizados 140 animais. Estes serão das linhagens C57BL/6 TLR2-/- (n=35), C57BL/6 (controle TLR2-/-, n=35), C3H/HeJ (TLR4 mutante, n=35) e C3H/HePas (controle - TLR4, n=35). Os camundongos serão submetidos à transecção ou esmagamento do nervo isquiático, de acordo com a análise a ser realizada. Para a transeção, os camundongos (C57BL/6 TLR2-/-, C57BL/6, C3H/HeJ e C3H/HePas; n= 20 para cada linhagem) serão anestesiados e submetidos à cirurgia de transecção, sendo removido um segmento de 2mm do coto distal do nervo. Uma semana após a transecção os animais serão anestesiados e sacrificados por perfusão transcardíaca. As medulas serão extraídas, sendo processadas para imunohistoquímica, microscopia eletrônica de transmissão, Western-blot e RT-PCR em tempo real (n=10 para cada técnica e grupo experimental). Os quinze animais restantes de cada linhagem terão o nervo isquiático esmagado, sendo sacrificados 2 semanas após a lesão, sendo avaliado o potencial regenerativo através de análises por imunohistoquímica, microscopia eletrônica de transmissão e teste funcional de recuperação motora (índice funcional do nervo isquiático). Para cada técnica, serão empregados cinco animais de cada linhagem. Em imunohistoquímica serão empregados os anticorpos anti-sinaptofisina, GFAP, Iba1 e MHC classe I. Em microscopia eletrônica de transmissão será analisada a aposição dos terminais pré-sinápticos dos motoneurônios alfa medulares e os nervos axotomizados. A análise por Western-blot será concentrada nas proteínas GFAP, sinaptofisina e MHC I. Através de RT-PCR, serão analisados os marcadores de ativação de microglia (F4/80) e astrogliose (GFAP).