Busca avançada
Ano de início
Entree

Miosina-Va e DLCs como alvos para terapia anti-tumoral mediada por shRNA e peptídeos apoptogênicos.

Processo: 11/11487-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de julho de 2011
Vigência (Término): 30 de novembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Enilza Maria Espreafico
Beneficiário:Rui Milton Patrício da Silva Junior
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:09/50167-3 - Miosina-Va e DLCs como alvos para terapia anti-tumoral mediada por shRNA e peptídeos apoptogênicos, AP.R
Assunto(s):Movimento celular   Melanoma   Apoptose   Neoplasias

Resumo

Um dos mecanismos propostos para modular a função dos fatores pró-apoptóticos Bim e Bmf é o seqüestro no citoesqueleto, promovido pelas cadeias leves DLC1 e DLC2 e os respectivos motores moleculares, dineína e miosina-Va (MVa). Demonstramos, em nosso laboratório, que um fragmento da cauda da MVa (MVaf), capaz de interagir com DLCs 1 e 2, induz intensa apoptose em células tumorais. Por interferir sobre a via intrínseca da apoptose, uma via chave para a supressão tumoral, o peptídeo MVaf oferece a possibilidade de ação específica contra câncer. Sendo assim, o presente projeto tem por objetivos: (1) Avaliar o potencial do MVaf como agente anti-tumoral, através das abordagens de terapia gênica e terapia peptídica in vitro e em modelo animal; (2) Dissecar os mecanismos pelos quais o MVaf desencadeia a resposta apoptótica; e (3) Investigar o envolvimento de MVa e DLCs na promoção de fenótipos malignos, em modelos experimentais de melanoma e carcinoma mamário, buscando definir o potencial do silenciamento dessas moléculas como estratégias anti-tumorais. Interferência funcional e terapia gênica serão realizadas através de vetores lentivirais ou plasmidiais, carregando transgenes, que codificam proteína ou shRNA, sob comando de promotores com atividade constitutiva ou regulada. A terapia peptídica será baseada no MVaf recombinante ou peptídeos sintéticos ligantes de DLCs, associados a um domínio de transdução/penetração celular (CTD/CPP). As análises funcionais incluirão quantificação da resposta apoptótica e avaliação da tumorigenicidade e capacidade metastática em modelo animal. Mecanismos moleculares e temporais da resposta apoptótica serão avaliados por microscopia confocal, citometria de fluxo, imunoprecipitação, pull-down e espectrometria de massa. Com isso, esperamos contribuir para a elucidação de novos mecanismos e desenvolvimento de estratégias terapêuticas dirigidas a vias centrais de controle da morte e invasão celular, com perspectiva de ação específica contra o câncer.