Busca avançada
Ano de início
Entree

O papel das espécies reativas de oxigênio e do antioxidante astaxantina em oócitos bovinos submetidos ao estrese térmico in vitro

Processo: 11/05454-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2011
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Fabíola Freitas de Paula Lopes
Beneficiário:Jéssica Ispada
Instituição-sede: Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Diadema. Diadema , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:07/53323-0 - Alterações celulares e moleculares induzidas pelo estresse térmico em oócitos Bos indicus e Bos taurus, AP.JP
Assunto(s):Biotecnologia da reprodução   Astaxantina   Bovinos   Espécies de oxigênio reativas   Estresse térmico   Oócitos

Resumo

Condições ambientais adversas, tais como temperatura e umidade elevada, limitam a exploração do máximo potencial genetico animal. Em bovinos, o estresse térmico materno compromete a fertilidade de vacas leiteiras, resultando em prejuízos econômicos para indústria de leite. Sabe-se que o oócito e o embrião no estágio pré-implantacional são os principais alvos dos efeitos deletérios causados pelo estresse térmico materno, entretanto, os mecanismos celulares desencadeados pela temperatura elevada e o papel do estresse oxidativo neste contexto são pouco conhecidos. Estudos recentes indicaram que a exposição de embriões bovinos ao estresse térmico aumenta a concentração de espécies reativas de oxigênio (ROS) intracelular e o uso de antioxidantes, tais como a astaxantina, podem reverter estes efeitos. Com isto, o presente estudo visa avaliar os efeitos do estresse térmico e do antioxidante astaxantina durante a maturação in vitro (MIV) de oócitos bovinos na (1) concentração das ROS, (2) competência oocitária, (3) atividade de enzimas antioxidantes e (4) peroxidação lipídica. O primeiro experimento terá delineamento fatorial 2 x 5 e testará os efeitos da temperatura (38,5 ou 41°C ) e de diferentes concentrações de astaxantina (0, 50, 100, 200 ou 500 µM) na competência oocitária. Os demais experimentos terão delineamento fatorial 2 x 2 e testarão os efeitos da temperatura e da astaxantina na concentração de ROS (ressonância paramagnética eletrônica), atividade das enzimas catalase, superóxido dismutase e glutationa peroxidase e na peroxidação lipídica (TBARS) em oócitos bovinos. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ISPADA, J.; RODRIGUES, T. A.; RISOLIA, P. H. B.; LIMA, R. S.; GONCALVES, D. R.; RETTORI, D.; NICHI, M.; FEITOSA, W. B.; PAULA-LOPES, F. F. Astaxanthin counteracts the effects of heat shock on the maturation of bovine oocytes. REPRODUCTION FERTILITY AND DEVELOPMENT, v. 30, n. 9, p. 1169-1179, AUG 2018. Citações Web of Science: 4.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.