Busca avançada
Ano de início
Entree

História e memória no Vale do Ribeira: socioambientalistas e movimentos sociais nas unidades de conservação de Juréia-Itatins, Ilha do Cardoso e Mandira

Processo: 11/04981-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2011
Vigência (Término): 31 de março de 2013
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Pesquisador responsável:Antonio Carlos Sant'Ana Diegues
Beneficiário:Julio Ramos de Toledo
Instituição-sede: Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Movimentos sociais

Resumo

Propomos neste projeto de estudo mapear e analisar as redes de articulações políticas constituídas entre três movimentos sociais situados no Vale do Ribeira, quais sejam, a União de Moradores da Juréia, a Associação de Moradores do Mandira e a Associação de Moradores do Marujá, localizados respectivamente na Estação Ecológica Juréia-Itatins, na Comunidade Remanescente de Quilombo do Mandira e no Parque Estadual da Ilha do Cardoso, e outros atores sociais envolvidos nos debates e lutas políticas existentes no espaço público, acerca da ocupação por moradores e utilização de recursos naturais de uso comum no interior de Unidades Conservação de Proteção Integral. Trabalharemos com a hipótese de que o contexto sociopolítico surgido no Brasil a partir do final dos anos 80 propiciou a articulação em rede entre os moradores atingidos pela sobreposição de Unidades de Conservação sobre os territórios que ocupavam e as assessorias externas, que atuam em na região e auxiliam na organização política de movimentos sociais. Estas assessorias forneceram-lhes projetos em consonância às reivindicações e demandas das comunidades, auxiliando-as na organização que possibilitou a ação política na esfera pública. Neste sentido, novas identidades se formaram no processo de ação social, como a de "populações tradicionais", de forte valor cultural e histórico, que demandam compromissos políticos de salvaguarda do meio ambiente. Utilizaremos a metodologia da História Oral com a intenção de remontar historicamente o processo de construção de suas identidades e estabelecer as redes articulatórias internas e externas, tendo em vista a avaliação de suas dimensões estratégicas e identitárias para compreender, por um lado, como estes sujeitos políticos participam e influenciam na modificação das políticas estatais de preservação ambiental e, por outro, se promovem uma modificação da cultura política através da expansão e universalização na sociedade dos valores e objetivos que defendem. (AU)